Desporto

Final angolana encerra Taça das Taças de África

Petro de Luanda e 1ºde Agosto disputam hoje, às 18h00, no pavilhão do Al Ahly, a final da Taça de África dos Clubes Vencedores das Taças de Andebol, que decorre no Cairo, capital do Egipto. Ontem, na primeira meia-final, as petrolíferas golearam as congolesas do Abó Sports, por 31-18, após favoráveis 16-7, ao intervalo.

Troféu da Taça Africana dos Clubes Vencedores das Taças vem para Luanda
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Às 19h00 locais (menos uma em Angola), entrou em cena o 1º de Agosto que defrontou e venceu o Fap dos Camarões, por 26-17, com 13-8 ao cabo dos primeiros 30 minutos de jogo. A vitória das duas formações angolanas confirmou a superioridade competitiva das únicas equipas que chegam ao último dia de prova sem consentir qualquer derrota.
No seu regresso às competições continentais, após cerca de quatro anos de ausência, o Petro de Luanda tem assim a oportunidade de recuperar um título que já conquistou em sete ocasiões e continuar a manter um registo cem por cento vitorioso na prova. Entretanto, o duelo com as congolesas de Brazzaville deixou sequelas na equipa orientada por Vivaldo Eduardo, que não pode contar com a meia-distância Suzete Cazanga, por lesão.
Do lado oposto, as meninas do Catetão encontram as actuais detentoras dos principais títulos nacionais e continentais. O 1º de Agosto, orientado pelo dinamarquês Morten Soubak venceu as duas principais competições de África (Taça das Taças, dos Campeões e Supertaça Babacar Fall), nos três últimos anos.
Internamente, as militares mantém o domínio, ao nível dos campeonatos nacionais e provinciais, tendo sido superadas pelas petrolíferas apenas na Taça de Angla e na Supertaça Francisco de Almeida.    

Invencibilidade

Até chegar à final, a trajectória das duas equipas foi semelhante, apesar das militares se mostrarem mais rotinadas, dominando as oponentes do princípio ao fim. Mas Morten Soubak e pupilas sabem que enfrentam hoje um oponente diferente. Data de Julho do ano passado, a última vitória das militares sobre as petrolíferas, a contar para o Campeonato Nacional.
De lá para cá, o Petro venceu a final  da Taça de Angola, a Supertaça Francisco de Almeida, além de um jogo do Torneio de Abertura e outro do Campeonato Provincial, sempre por números apertados. A seu favor, as meninas do Catetão têm o alto desempenho da guarda-redes Teresa Almeida “Bá”, que tem feito a diferença nas últimas partidas, além da alta intensidade do contra-ataque.
Do lado militar, o ataque posicional conta com a eficá-cia e coesão entre a pivô Albertina Kassoma e a meia-distância central Isabel Guialo “Belinha”, para desequilibrar as defesas adversárias, marcando e dando a marcar muitos golos. 


Tempo

Multimédia