Desporto

França e Argentina aquecem os “oitavos”

Paulo Caculo|Moscovo

O desafio entre as selecções de França e da Argentina centraliza, hoje, as atenções na abertura da fase dos Oitavos de final do campeonato do mundo, que decorre na Rússia.

Franceses tiveram melhor prestação na fase de grupos em relação a selecção da Argentina
Fotografia: DR

O jogo, agendado para as 15 horas de Angola, no estádio Kazan Arena, é rodeado de enorme expectativa, sobretudo a julgar pelo potencial e qualidade dos executantes que as duas equipas juntam.
 Sem margens para erros, franceses e argentinos entram para este jogo cientes da necessidade imperiosa de vencer, sob o risco de seguirem o mesmo caminho da campeã Alemanha. Ou seja, o regresso imediato à casa.
Embalando nesta visão, perspectiva-se um jogo interessante e, ao mesmo tempo, de elevados níveis de dificuldades para ambos os contendores.
Sobre a selecção Alviceleste questiona-se, ainda, o facto de ter deixado, na fase de grupos, a imagem de um conjunto em dificuldades, muito espremido e a precisar do maior protagonismo das suas principais estrelas.
Muito dependente da arte e do engenho de Lionel Messi, a Argentina precisará de imprimir maior dinâmica às suas jogadas, para não sair  “maltratada” do jogo diante de um conjunto francês a atravessar altos índices de confiança.
Desde a disputa da fase de grupos que os “Blues” transmitem a mensagem de que estão neste Mundial para erguer o troféu de campeão. Aliás, bastará olhar para a qualidade das suas exibições, a forma frenética e a postura altamente ofensiva como abordam os adversários, também pelo voluntarismo demonstrado pelos seus jogadores. Junte-se a isso o facto de os franceses guardarem na memória um agradável histórico em duelos com as equipas sul-americanas em campeonatos do mundo. De resto, um bom jogo em perspectiva.
A França deve jogar com Louris; Varane, Umtiti, Pavard e Hernadez; Pogba, Kanté, Mbappé, Griezmann, Matuidi e Giroud.
Já a Argentina deve alinhar o seguinte onze: Armani; Mercado, Otamendi, Rojo, Tagliafico; Mascherano, Enzo Pérez e Banega; Messi, Higuaín e Di María.

Portugal-Uruguai
Noutro desafio, não menos interessante, Portugal procurará desenvencilhar-se do Uruguai, às 19 horas, no Olimpiyskiy Stadion Fisht.
Frente a frente estarão duas selecções com percursos completamente distintos: o conjunto “Celeste” vem de um “passeio turístico” na fase de grupos, onde venceu todos os jogos, enquanto a “Selecção das Quinas” espera acertar as exibições e quebrar o ciclo de resultados intermitentes.
Antevê-se, portanto, um jogo cujo o equilíbrio será a tónica, embora alguns teóricos do futebol atribuam ligeiro favoritismo ao Uruguai, a julgar, precisamente, pelas exibições patenteadas nos jogos anteriores. Ainda assim, não está afastada a possibilidade de Portugal vencer, sobretudo pelo facto de ter no seu “onze” um dos jogadores mais finalizadores da história recente do futebol: Cristiano Ronaldo.
Paralelamente ao jogo em si, será interessante assistir aos duelos protagonizados, à parte, pelas principais estrelas de ambos os conjuntos. Pela “Celeste”, a dupla Cavani e Luís Suarez centralizam as atenções.
Em relação às equipas prováveis, o Uruguai pode sair a jogar com Muslera; Coates, Godín, Caceres; Torreira, Vecino, Bentancur, Laxalt, Nandez; Cavani e Luis Suárez.
Alinham, provavelmente, por Portugal os seguintes jogadores: Rui Patrício; Cedric, José Fonte, Pepe e Raphael Guerreiro; Quaresma, William, Bernardo Silva e João Mário; Cristiano Ronaldo e André Silva.

Tempo

Multimédia