Desporto

Funcionários do Progresso sem salários há 18 meses

António de Brito

Com excepção do plantel de futebol, funcionários e atletas de outras modalidades,  do Progresso Sambizanga, decidiram paralisar o trabalho, por não receberem salários há 18 meses.

Coordenador da comissão de trabalhadores lamentou a situação
Fotografia: M.Machangongo | Edições Novembro

Depois da greve desencadeada, a direcção presidida por Paixão Júnior continua incontactável, pelo que os grevistas só irão retomar os trabalhos, caso sejam pagos parte dos salários em atraso.
Na passada sexta-feira, Paixão Júnior comprometeu-se a saldar as dívidas, pagando dois salários em Novembro e um neste mês, o que não veio a acontecer.
“É uma situação muito grave que estamos a enfrentar. Temos famílias para sustentar e escolas dos filhos para pagar. Muitos de nós arrendámos as casas e não temos como pagar. Temos colegas que foram despejados de casas por falta de pagamento”, lamentou ao Jornal de Angola Custódio de Azevedo, coordenador da comissão de trabalhadores do Progresso Associação Sambizanga.
Na tentativa de ouvir o contraditório, os telefones de Paixão Júnior e Manuel Dias dos Santos, presidente e vice-presidente, estavam desligados. A formação sambila movimenta as modalidades de futebol, basquetebol, andebol, voleibol, atletismo e xadrez.

Tempo

Multimédia