Desporto

1º de Agosto e Petro disputam hoje a final

António de Brito |

1º de Agosto e Petro de Luanda encerram hoje às 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, a época futebolística de 2017, com a disputa da final da 36ª edição da Taça de Angola, que opõe o campeão nacional ao vice-campeão do Girabola Zap, respectivamente.

Petro e 1º de Agosto jogam pela terceira vez nesta época
Fotografia: M.Machangongo | Edições Novembro

Na segunda prova do calendário futebolístico da FAF, militares do Rio Seco e tricolores do Eixo Viário disputam a sexta final, depois de terem se defrontado pela última vez em 1998, com a formação petrolífera a conquistar o troféu.
Dos cinco jogos disputados, o Petro leva vantagem sobre o 1º de Agosto, tendo um registo de três vitórias e duas derrotas. Os petrolíferos venceram (3-2,1992), (2-1,1997) e (4-1,1998), enquanto os rubros e negros ganharam (1-0,1990) e (2-1,1991).
Atendendo aos objectivos de ambas, espera-se por um jogo de elevado grau de dificuldade e de prognóstico bastante reservado.1º de Agosto e Petro é sempre um jogo apetecível e de resultado imprevisível. Normalmente, os jogos desta envergadura são decididos nos detalhes. Os militares querem fazer a “dobradinha”, depois do bicampeonato. Por parte dos petrolíferos, a conquista da taça serve de mote para salvar a época, no intuito de apaziguar os ânimos  dos seus exigentes adeptos.
Nesta época é o terceiro jogo de equipas rivais, sendo que para o campeonato, o 1º de Agosto acabou por ser feliz, venceu (1-0) e empatou (0-0). Dragan Jovic, depois de ter levado o 1º de Agosto a dois títulos (2016 e 2017), senta-se pela última vez no banco.
Do ponto de vista clínico, Tony Cabaça falha o clássico. O guardião militar recupera da lesão na região facial. Da banda dos tricolores, Mabiná e Carlinhos são cartas fora do baralho, por estarem lesionados.
Durante o percurso da prova, o 1º de Agosto eliminou o Kafalango do Cunene (2-1), Académica do Lobito (1-3 e 4-1), Interclube (1-1 e 1-0) e Progresso Sambizanga (3-2 e 0-0). Já o Petro de Luanda venceu o JGM (falta de comparência), Santa Rita de Cássia (1-2 e 1-0) e FC Bravos do Maquis (2-0 e 0-1).
Em dez finais da competição, a formação militar ganhou cinco  e perdeu por  igual número. (1984, 1990,1991, 2006 e 2009), ao passo que a equipa petrolífera em 13 presenças arrebatou dez troféus (1987, 1992, 1993, 1994, 1997,1998, 2000, 2002, 2012 e 2013). O Libolo é o detentor  do troféu.

Tempo

Multimédia