Desporto

Angola falha final e disputa o bronze

António de Brito

As selecções de Angola e da Nigéria em Sub-17 disputam sábado às 14h00, no Estádio Benjamin Mkapa, o terceiro lugar da 13ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), que decorre na Tanzânia. Ontem, a Selecção Nacional perdeu nas meias-finais frente aos Camarões, por 3-4, após a marcação de grandes penalidades.

Fotografia: DR

No tempo regulamentar, as duas similares encontravam-se empatadas sem golos.
Obrigado a vencer, o conjunto angolano entrou destemido e procurou nos minutos iniciais visar a baliza camaronesa. Em ataque planeado, com a bola a circular pelos corredores laterais, a Selecção Nacional Sub-17 obrigou a equipa adversária em determinados minutos, a baixar as suas linhas, visto que o conjunto treinado por Pedro Gonçalves subia constantemente no terreno.
Com maior posse de bola, Angola chegava com facilidade ao último terço dos Camarões, mas pecava no momento da finalização. A jogar no tradicional 4-4-2, o “onze” nacional não se deixou intimidar e discutiu o jogo pelo jogo, de modo a carimbar o passe para a final.
Decorridos quatro minutos, o árbitro senegalês não assinalou um penálti claro a favor de Angola, depois de Osvaldo Capita ter sido derrubado na área pelo guarda-redes Ekoi.
A jogar com os erros da formação camaronesa, a Selecção Nacional encontrava forças suficientes na motivação para contrariar a estratégia montada pelo seleccionador Thomas Libiih. A actuar no 4-3-3, os Camarões não encontrava espaço de manobra para violar a baliza de Geovani.
Durante a primeira parte, a selecção angolana foi a equipa mais esclarecida e beneficiou das melhores ocasiões de golo. Os jogadores angolanos mostraram-se perdulários no ataque. Concretizadas as oportunidades criadas, os Palanquinhas teriam ganho por uma margem folgada.
No segundo tempo, a equipa nacional manteve a dinâmica com que se apresentou na etapa inicial. O técnico Pedro Gonçalves não alterou a táctica de jogo, porque sentia que era possível contornar a formação francófona. Bem a defender e a atacar, a Selecção Nacional não conseguia tirar vantagem das facilidades dadas pelo opositor.
Aos 47 minutos, Angola foi capaz de tirar maior proveito da expulsão do "capitão" N'dzie, por acumulação de cartões amarelos. O médio David desperdiçou uma situação clara para colocar a selecção angolana na final. Isolado na área permitiu a defesa do guarda-redes Ekoi, decorridos 89 minutos. Nos penáltis, Angola marcou por Domingos, Cisco e Zito Luvumbo, e falhou por intermédio de Pablo e Porfírio.
Na primeira meia-final, a Guiné Conacri derrotou a Nigéria também na marcação de grandes penalidades, por 10-9, depois da igualdade 0-0, no tempo regulamentar. Guiné Conacri e Camarões jogam a final no domingo, às 14h00, no Estádio Nacional de Dar-es-Salam.

Tempo

Multimédia