Desporto

CR7 homenageia Rafael Camacho

“Estávamos todos a abrir os presentes quando o meu pai me disse para abrir um deles, que era especial. Incrível, nem queria acreditar, era a camisola autografada do Cristiano Ronaldo”.

Jogador promete trabalho para chegar ao sucesso
Fotografia: Cedida |

Foi desta forma que o luso-angolano Rafael Camacho, que entre os seus companheiros é conhecido por “Black  Ronaldo”, devido aos dribles estonteantes a fazer lembrar o melhor jogador do Mundo, descreve a alegria que sentiu no dia de Natal.
Enquanto revelava que o seu empresário, Jorge Mendes, lhe fez chegar a camisola 7 do Real Madrid através do pai Euclides Camacho (ex-jogador de basquetebol do Interclube e do Petro de Luanda), Rafael lá foi dizendo que não se assusta com as comparações com CR7.    
“Não ligo muito a isso, daí não sentir qualquer tipo de pressão. Cristiano Ronaldo é o melhor jogador do Mundo e, por isso, quando dizem que tenho algumas características dele, só pode ser factor de motivação. Sigo muito a carreira de CR7 e para mim o maior exemplo que nos dá é que o talento não basta, temos de trabalhar muito para chegarmos ao topo”, diz.
À pergunta se “acredita que um dia será Bola de Ouro como Ronaldo?’, a resposta é célere: "Temos o mesmo empresário. Jorge Mendes sabe como ninguém os segredos de Cristiano Ronaldo, e a fórmula que seguiu para ter sucesso. Se me passar alguns deles já será fantástico. Como dizia, seria bom. Se fosse eu a viver o mesmo filme como protagonista, como disse, não havia que mudar muito… era só inverter o CR para RC e já estava (risos).”
Mas Rafael Camacho já tem aquela alma especial do Liverpool e quando se fala em melhores do Mundo não deixa de colocar na jogada um génio que vai brilhando em Anfield.
“Philippe Coutinho é um craque. Pode parecer daquelas frases que ficam bonitas, mas não é: treinar com ele e olhar para o que faz em campo ensina-nos muito. E a principal coisa que se aprende com a forma como joga é que o futebol é arte e magia e não chutões para a frente”, diz, com algum fascínio. E nesta equação entra também o factor humano: “É um jogador fabuloso e também um exemplo de superação: saiu muito novo do Brasil para Itália e por lá mal jogava”.

Tempo

Multimédia