Desporto

Interclube visita Calulo confortado no comando

Honorato Silva

A atravessar um período de estabilidade competitiva, o Interclube visita, hoje às 15h00, o Recreativo do Libolo, no destaque da 12ª jornada do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabo-la Zap, que tem os crónicos candidatos ao título 1º de Agosto e Petro de Luanda afastados do topo da tabela classificativa.

A formação do Rocha Pinto, orientada pelo português, Paulo Torres, está moralizada
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Com mais sete pontos em relação à dupla de perseguidores formada por Kabuscorp do Palanca e Académica do Lobito, os polícias às ordens do português Paulo Torres passam por mais um teste ao seu estatuto de concorrente identificado com a conquista do troféu da 40ª edição da maior montra da modalidade em Angola.
Depois do abrandamento registado diante do FC Bravos do Maquis e Académica do Lobito, com as derrotas por 0-1, em casa, e 1-2, no Buraco, respectivamente, o Interclube mantém a passa-da consistente, numa sucessão de triunfos expressivos e esclarecedores.
Saído de um “treino” pontuável para o campeonato, na recepção do JGM do Huam-bo, lanterna vermelha mimoseado com colossais 5-0, numa tarde de irrepreensível acerto de Mano Calesso, gran-de agitador do jogo ofensivo, o conjunto do bairro Rocha Pinto chega à vila de Calulo de peito feito, certo de que pode regressar a casa mais firme na liderança.
A solidez defensiva, sustentada pela tranquilidade conferida por Lando, guarda-redes titular da Selecção Nacional, notabilizado ao serviço do Libolo, dá asas ao processo ofensivo da equipa detentora do ataque mais produtivo da prova, com 22 golos apontados. Mano e Pedro, sete tentos cada um, são os maiores contribuintes.
Tó Carneiro, na lateral esquerda, e Pirolito, um conhecedor dos segredos do meio campo, equilibram os balanços do Interclube, que dificilmente quebra o posicionamento defensivo, após a perda da bola. O rigor táctico e a boa dinâmica nos espaços entre linhas garantem a coesão dos polícias, que recuperam memórias de períodos consistentes atravessados sob o comando de Carlos Mozer e Álvaro Magalhães, técnicos campeões no Estádio 22 de Junho.
Apostado em contrariar os intentos da formação do Ministério do Interior, está o Recreativo do Libolo, de-tentor de quatro troféus da prova, actualmente num período de reestruturação, após a saída de boa parte dos jogadores que construíram as últimas conquistas do clube, bem como a presença em fases avançadas das Afrotaças.
Orientado por Kito Ribei-ro, técnico exaltado pelo trabalho feito ao serviço do Pro-
gresso da Lunda-Sul e Progresso do Sambizanga, o conjunto de Calulo procura manter a invencibilidade frente aos colossos da competição, uma vez ter já travado a marcha do 1º de Agosto e do Petro de Luanda, com empates sem golos. Sidney (capitão), Die, Viet e Kaya são os destaques do plantel.
A copiosa derrota sofrida na visita ao Kabuscorp do Palanca, por 0-5, na quarta ronda, foi apenas um dia mau dos libolenses, que numa tarde de total desacerto passaram uma imagem de fraqueza competitiva e a ilusão de que o adversário tinha músculo para as exigências do topo da classificação, cenário contrariado recorrentemente pelas oscilações constantes da equipa de Beto Kangamba, facto que coloca Sérgio Traguil numa condição de treinador a prazo.  

Equilíbrio de forças

Os números dos últimos dez anos dos jogos disputados no município do Libolo, desde 2008, apontam para um quadro de claro equilíbrio. As equipas venceram cada uma três vezes e empataram quatro, com oito golos dos anfitriões e sete dos visitantes.
Nas últimas cinco deslocações à casa do Recreativo do Libolo, o Interclube venceu apenas uma vez, em 2013, por 1-0. A seguir perdeu (0-2), empatou (0-0), em 2015, voltou a ser derrotado (1-2), em 2016, e forçou outra igualdade (1-1), o ano passado.
Comparado aos restantes candidatos ao título, os polícias secundam os petrolíferos do Eixo Viário no melhor registo em Calulo, enquanto o 1º de Agosto tem o pior histórico. Os militares do Rio Seco venceram apenas uma vez (2-0), em 2009, perderam em duas ocasiões e empataram oito.
Amanhã, na sequência da jornada, jogam JGM do Huam-bo-Sagrada Esperança, Sporting de Cabinda-Cuando Cu-
bango, Kabuscorp do Palanca-Progresso Sambizanga e 1º de Agosto-Desportivo da Huíla, ao passo que para quinta-feira, no encerramento, estão agendados os desafios Académica -1º de Maio de Benguela,  Bravos do Maquis-Caála e Petro-Domant FC.

Tempo

Multimédia