Desporto

Ivo Traça está crente na revalidação antecipada

António de Brito

Com alguns problemas clínicos, mas que não retiram a pretensão da equipa revalidar o título do Girabola, como são os casos de Geraldo, Paizo e Natael, o 1º de Agosto está na cidade do Dundo, com o propósito de vencer o Sagrada Esperança, a fim de não remeter para a última jornada a consagração.

Francisco Moniz “Frank” ambiciona travar visitantes
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Apesar de reconhecer as adversidades a encontrar no terreno do adversário, Ivo Traça, treinador-adjunto da formação militar, prometeu uma equipa combativa para garantir os três pontos.
“Estamos tranquilos, apesar de não termos feito qualquer treino em Luanda. Chegámos na terça-feira e no dia seguinte embarcámos para o Dundo. Penso que, com o trabalho que temos vindo a realizar, a equipa está em condições de conseguir um bom resultado”, assegurou ao Jornal de Angola.
Do ponto de vista anímico, o treinador-adjunto de Zoran Macki garantiu que o grupo está bem, e retirou qualquer pressão aos jogadores, uma vez que o 1º de Agosto conhece os pontos fortes e fracos do Sagrada. “Estamos bem em todas as vertentes. No Dundo, sentimo-nos em casa, porque temos lá muitos adeptos. Portanto, não há motivos para estarmos preocupados”, disse, acrescentando que o bicampeão nacional viajou na máxima força, para arrumar a questão do título na província da Lunda-Norte.
Na condição de visitado, o Sagrada Esperança pretende adiar a festa do 1º de Agosto, como refere o técnico-adjunto, Francisco Moniz “Frank”. “Jogamos em casa” e temos de assumir as nossas responsabilidades. O grupo quer fechar com vitória o último jogo caseiro. Mas, não será tarefa fácil. Temos consciência dos problemas a enfrentar. O 1º de Agosto pretende pôr um fim à disputa do Girabola com o Petro de Luanda”, reconheceu, sublinhando que a formação do Rio Seco vai ter de sofrer, para sair do Dundo com os três pontos na bagagem.
“Temos um prestígio a defender. Jogamos na condição de visitado, e temos de fazer o que nos compete. Em casa, os jogos são para  ganhar”.

Tempo

Multimédia