Desporto

Militares têm o foco na defesa do título

António de Brito |

Igualados a 59 pontos na liderança do Girabola Zap, 1º de Agosto e Petro de Luanda podem arrastar a decisão do título até ao último jogo, quando faltam três jornadas para o término do campeonato.

1º de Agosto tem vantagem no critério de desempate
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Os emblemas sabem perfeitamente que não podem tropeçar, sob pena de falharem os seus intentos na competição, que passam pela conquista do troféu. O 1º de Agosto persegue a revalidação, enquanto o Petro de Luanda quebrar um jejum que perdura há oito anos.
Nesta fase crucial da prova, os colossos do futebol angolano não têm jogos fáceis. Os comandados do bósnio Dragan Jovic realizam todos os encontros em Luanda, frente ao Progresso da Lunda-Sul, já no domingo, referente à 28ª jornada do campeonato, depois enfrentam o ASA, nos Coqueiros, e recebem o Kabuscorp do Palanca, no Estádio Nacional 11 de Novembro.
No sábado, a equipa do hispano-brasileiro Roberto Bianchi tem uma deslocação difícil ao reduto do Sagrada Esperança, seguindo-se o jogo em casa diante do Santa Rita de Cássia, para terminar a prova frente ao 1º de Maio de Benguela, na cidade das Acácias Rubras.
Até ao fecho do campeonato, 1º de Agosto e Petro de Luanda podem chegar aos 68 pontos, caso vençam os próximos desafios. Na eventualidade de terminarem empatados, os rubros e negros sagram-se campeões nacionais, por levarem vantagem no confronto directo face aos petrolíferos (empate sem golos e vitória por 1-0). No ano passado, à entrada da 28ª jornada, os militares somavam 63 pontos, seguidos pelos tricolores, com 60. O 1º de Agosto quer se manter na liderança até ao fim.
Carlos Hendrick, presidente da colectividade, busca forças nas palavras de incentivo do Presidente da República, João Lourenço, quando felicitou os atletas, enquanto ministro da Defesa Nacional, pela conquista do décimo título do Girabola.
“Deixo um conselho. Não adormeçamos à sombra dos bons resultados. As vitórias têm a tendência de nos envaidecer e criar em nós a falsa ideia de que somos invencíveis, imbatíveis, o que não pode ser verdade. Seremos invencíveis, imbatíveis, não pelas vitórias já alcançadas, mas pelas lições que delas tiramos, pela análise crítica aos erros cometidos, pelo trabalho cada vez mais organizado e árduo pela conquista de novas vitórias”, lembrou a mensagem de João Lourenço, o dirigente máximo do clube.

Tempo

Multimédia