Desporto

Palancas Negras trabalham antes da viagem ao Egipto

Honorato Silva

Com a viagem ao Egipto prevista para hoje à noite, a Selecção Nacional de Honras de futebol cumpre está manhã, na cidade de Aveiro, o último treino no estágio de preparação da oitava presença do país na fase final da Taça de África das Nações, cuja 32ª edição é disputada de 21 de Junho a 19 de Julho.

“Legião estrangeira” é o suporte do ataque da Selecção Nacional na competição continental
Fotografia: Edições Novembro

Inicialmente prevista para quinta-feira, na rota Lisboa/Madrid/Cairo, com ligação de autocarro até Suez, sede do Grupo E da prova continental, a deslocação dos Palancas Negras estava, até ontem à noite, dependente de alguns detalhes administrativos.
Apesar do anúncio de total disponibilidade em relação à imprensa, feito pelo presidente da Federação, Artur Almeida e Silva, os contactos estabelecidos, visando melhor esclarecimento, saíram gorados. No entanto, o Jornal de Angola apurou que a comitiva angolana era, até quinta-feira, a única, dentre as 23 visitantes, sem confirmação da data de chegada, por forma a permitir à máquina organizadora do CAN acautelar a logística, o transporte e a hospedagem.
Os jogadores às ordens do sérvio Srdjan Vasiljevic, bem como os restantes integrantes da equipa técnica, estão expectantes quanto ao cumprimento, hoje, da liquidação das ajudas de custo referentes à primeira semana de trabalho em Portugal, com base na garantia dada por Artur Almeida.
Focado na melhoria da prestação da equipa nacional na competição, depois do afastamento ainda na fase de grupos, em 2013 na África do Sul, última presença de Angola na grande cimeira da modalidade, o balneário liderado por Mateus Galiano e Djalma Campos afasta o cenário de contestação ou mau ambiente. Apenas pede, afirmou fonte próxima aos jogadores, respeito e consideração aos dirigentes federativos.
A paralisação dos trabalhos, na segunda-feira, resultou da falta de diálogo. Os atletas esperavam receber do dirigente máximo do organismo uma explicação a respeito do prémio de apuramento dado pela CAF, após terem sido informados no sábado, por altura do jogo amistoso que venceram por 2-0, que a Guiné-Bissau já tinha recebido a primeira tranche de 250 mil dólares.
O recuo do presidente da FAF, para ouvir os jogadores, possibilitou esclarecer mal-entendidos e definir prazos para a regularização dos pendentes de tesouraria. O clima de desconfiança e dúvida deu lugar a uma janela de esperança, a bem da harmonia e salvaguarda dos interesses desportivos da Selecção Nacional.
A acção grevista recuperou a memória da primeira presença dos Palancas Negras na competição africana, em 1996. A viagem da comitiva, de Luanda a Joanesburgo, aconteceu somente depois de intervenção de um membro do governo, já no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro. Os integrantes da equipa orientada por Carlos Alhinho reivindicam o pagamento de prémios.


Confiança dos adeptos deixa jogadores motivados

O apoio dos adeptos, que diariamente expressam confiança no sucesso da Selecção, reforça a entrega dos jogadores nas sessões de treino. Ontem à noite, na única sessão do dia, os convocados reforçaram os ensaios sdas variantes tácticas, já com a introdução de movimentos que visam condicionar o jogo da Tunísia, na estreia, a 24 de Junho.
Vasiljevic tem mostrado preocupação com a segurança defensiva da equipa. A aposta no “onze” base utilizado na fase de apuramento permite acelerar o entrosamento dos jogadores, a quem o seleccionador pede solidariedade e entrega redobrada na disputa de cada lance. Poucos são os rostos novos presentes na preparação do compromisso africano.
O afastamento de Clinton da Mata, Chico, Jonas Ramalho e Jérèmie Bela, por razões de saúde e administrativas, facilitou a escolha dos 23 eleitos para a fase final. Foram escolhidos os guarda-redes Tony Cabaça (1º de Agosto), Landu (Interclube) e Ndulu (Sagrada Esperança).
Na defesa, estão confirmados Paizo, Isaac e Dany Masunguna (1º de Agosto), Eddie Afonso e Wilson Gaspar (Petro de Luanda), Jonathan Buatu (Rio Ave), Bastos (Lazio) e Bruno Gaspar (Sporting de Portugal); os médios Herenilson (Petro de Luanda), Show, Macaia (1º de Agosto) e Stélvio (F91 Dundelange), bem como os avançados Gelson Dala (Sporting de Portugal), Mateus Galiano (Boavista), Freddy (Antalyaspor), Djalma Campos (Alanyaspor), Geraldo (Al Ahly), Wilson Eduardo (Sporting de Braga), Mabululu (1º de Agosto) e Evandro Brandão (Leixões).

Tempo

Multimédia