Desporto

Selecção joga cartada decisiva com malgaxes

António de Brito |

Angola e Madagáscar jogam hoje às 12h30, no Estádio Municipal de Toamasina, na cidade de Antananarivo, a primeira-mão da terceira e última eliminatória de qualificação para a quinta edição do Campeonato Africano das Nações (CHAN), reservado a jogadores que disputam os respectivos campeonatos, a decorrer no próximo ano, no Quénia.

Palancas Negras pretendem resultado positivo apesar de actuarem no terreno do opositor
Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Apostados em marcar presença na prova continental, Palancas Negras e Bareas disputam um jogo de elevado grau de dificuldade, atendendo às pretensões de ambos na competição. Depois da estreia no Sudão (2011), onde foi finalista vencido, a Selecção Nacional pretende a todo o custo constar do restrito grupo das 16 selecções qualificadas, após o fracasso no ano passado no Ruanda, onde ficou na primeira fase da prova. Madagáscar persegue o apuramento inédito.
De favoritismo repartido, o jogo entre Angola e Madagáscar promete ser renhido do primeiro ao último minuto, a julgar pela rivalidade existente entre os dois conjuntos. Sempre que se defrontam, angolanos e malgaxes equilibram normalmente os jogos.
Este é o sexto desafio entre as duas selecções, com os Palancas Negras a levarem vantagem, ao vencerem em 2005 e 2010, por 1-0 e 2-0, contra uma derrota dos malgaxes (1-0), no Estádio Nacional da Cidadela, em 1990. Os outros três desafios terminaram empatados (0-0, 0-0 e 1-1).
Diante de Madagáscar, a Selecção Nacional não vai ter, naturalmente, algumas dificuldades para impor o seu futebol, já que a formação adversária não perde há 11 jogos. 
Seja como for, Roberto Bianchi tem os seus trunfos na manga, depois de ter estudado as imagens do jogo em que Madagáscar venceu Moçambique, por 2-0, em Maputo. Além deste vídeo, o treinador dos Palancas Negras também viu a formação malgaxe a actuar no torneio regional, recentemente na África do Sul, pelo que trabalhou a equipa, com base nos pontos fortes e fracos do conjunto adversário.
Frente aos anfitriões, a Selecção Nacional tem de fazer um jogo inteligente, tanto a defender como atacar. Os três sectores tem de estar em perfeita sintonia, de modo a frustrar o jogo ofensivo da equipa malgaxe, saindo sempre em ataque organizado.
Angola tem que  ter capacidade de sofrimento, para sair de Antananarivo com um resultado positivo, para no jogo de resposta, a 20 do corrente, decidir a qualificação no Estádio Nacional 11 de Novembro.
Com o propósito de conseguir um resultado animador, Roberto Bianchi vai apostar numa equipa virada para o ataque, sem descurar obviamente o sector defensivo, jogando com Gerson, Mira, Natael, Wilson, Dani Massunguna, Herenilson ou Tó-Carneiro, Manguxi, Job e Nelson da Luz, Yano e Nandinho, num claro 4-4-2.
No “onze” inicial, o Petro de Luanda aparece com seis jogadores, caso Herenilson recupere eventualmente do problema no tornozelo, sendo que o campeão nacional em título do Girabola Zap, 1º de Agosto, surge com três atletas.
Na anterior eliminatória, Angola derrotou as Ilha Maurícias, por 3-2, depois já ter vencido, por 1-0, na primeira -mão, na cidade de Port Louis.
Ainda hoje, disputam-se cinco jogos, com Benin e Nigéria a centralizarem as atenções dos adeptos do futebol, na cidade de Cotonou. Na condição de visitados, os beninenses dificultam a vida aos seus adversários, pelo que os nigerianos não têm, para já, uma missão fácil no terreno do opositor.
Longe das boas exibições, tal como a ausência no CAN de 2017 no Gabão, as Super Águias pretendem regressar aos grandes palcos desportivos, que passam pela qualificação ao CHAN do Quénia.
Níger e Costa do Marfim defrontam-se, às 15h00, no Estádio Nacional de Niamey, num jogo que se prevê disputado, visto que os dois conjuntos definiram como meta a qualificação para a fase final da competição. Com esses ingredientes, o jogo promete ser intenso e de resultado imprevisível.
No Cairo, o Egipto recebe o Marrocos, às 18h00, num jogo de alta tensão, por colocar frente-a-frente selecções rivais apostadas em confirmar presença na competição continental. A CAF) orientou a Federação Egípcia a criar medidas de segurança.

Tempo

Multimédia