Desporto

Selecção obrigada a golear os faraós na cidade do Cairo

António Cristóvão

A Selecção Nacional Sub-18 de Futsal e o Egipto decidem hoje, às 18h00, no Pavilhão Indoor Halls, na cidade do Cairo, o apuramento para a fase final da 3ª edição dos Jogos Olímpicos da Juventude, a  decorer de 8 a 16 de Outubro, em Buenos Aires, Argentina.

Seleccionador Rui Sampaio assegurou, antes do embarque para a capital egípcia a prontidão do grupo
Fotografia: José Cola | Edições Novembro

Depois da derrota por 2-6, no Pavilhão da Cidadela, a 14 do corrente, em desafio referente à primeira mão, o “Cinco” nacional precisa de vencer por cinco bolas a zero para conseguir a qualificação. E, para triunfar, os angolanos têm de ter a iniciativa do jogo, serem rápidos nas saídas da defesa ao ataque, mas sem descurar o posicionamento defensivo, para evitar uma igualdade ou na pior das hipóteses nova derrota.
Mas, para materialização do desiderato, o técnico Rui Sampaio deve deixar os seus pupilos jogarem conforme sabem fazer e sem pressão como aquela que se observou no encontro de Luanda.
Em Luanda, na etapa complementar, o técnico Rui Sampaio gesticulou, esperneou e até ameaçou alguns jogadores da Selecção Nacional, o que provocou algum nervosismo no seio do grupo. Os aficionados esperam que isto não volte a acontecer no Cairo.
Angola persegue a inédita participação na fase final dos Jogos Olímpicos da Juventude e viajou na quarta-feira para terras faraónicas motivada, sobretudo pela integração do guarda-redes Gomito, da Coprat FC, um dos principais esteios do conjunto.   
Sem jogadores suspensos, mas com alguns limitados, os Sub-18 vão certamente procurar inverter a desvantagem.
O “Cinco” nacional tem perspectiva e acredita que pode lutar pela qualificação -posição assumida pelo corpo técnico e os jogadores antes do embarque. Mas Rui Sampaio reconhece que não é uma tarefa fácil.
Sampaio tem como principais dúvidas a utilização do ala/pivô Shesheu, o pivô Joseph “Wareny” e o guarda-redes Gomito. O ala/pivô recupera de um hematoma na tíbia direita (contraída após uma queda no autocarro da Selecção, ainda em Luanda) e o pivô ressente de algumas dores no joelho direito.
O guarda-redes está a recuperar de dores no pulso direito depois de ter sido afastado no jogo da primeira mão, por castigo da Confederação Africana de Futebol (CAF).
Apesar de ser um adversário teoricamente forte no continente africano, os egípcios têm um conjunto ma-treiro e experiente que con-
segue irritar qualquer congénere, mas, mal preparado psicologicamente.
O Egipto atingiu esta fase depois de ter derrotado a congénere de Moçambique no somatório de duas partidas, por 10-3. Na primeira partida, em Maputo, os egípcios venceram os anfitriões, por 4-3, enquanto no desafio de resposta ganharam novamente os adversários, por 6-0, no Cairo.
Um jogo aguardado com bastante expectativa pela direcção da Federação Angolana de Futebol de Salão, por ser decisivo para a consumação dos objectivos previamente estabelecidos, qualificar a equipa para os Jogos da Juventude.
O vencedor da eliminatória vai ser o único representante africano na capital da Argentina, Buenos Aires.
Para este desafio, Rui Sampaio deve fazer alinhar no cinco inicial guarda-redes Gomito, o pivô Wareny, os alas Ruizinho e Nelsinho e o fixo Branquinho. No banco devem ficar Kupalissa, Esquerdinho, Gilson, Shesheu, Lukinha, Vedo, Léu e Delgado.
Os egípcios vão sair provavelmente com Mohamed Elsayed, Abdelrahman Abas, Youssif Hassan, Belal Elsayed e Mohamed Talaat.
Para este desafio, a Confederação Africana de Futebol (CAF) indicou um trio de árbitros marroquinos, chefiado por Khalid Huich, tendo assistentes Said El Haoud e Mustapha Rguig.

Tempo

Multimédia