Desporto

“Guerreiros” defendem terceiro lugar do pódio

Teresa Luís

Depois do desaire com a Tunísia, por 34-14, a Selecção Nacional joga hoje às 13h00, frente à similar do Marrocos, visando a manutenção do terceiro lugar da 23ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), cujo encerramento acontece hoje em Libreville, Gabão.

Seleccionador Filipe Cruz precisa de motivar os
Fotografia: José Cola | Edições Novembro

Refeito do “pesadelo” da meia-final, o grupo às ordens de Filipe Cruz pretende fazer o seu melhor, de modo a lograr a medalha de bronze. Ontem, na pausa geral, o “sete” nacional arquitectou o desafio com a formação magrebina, numa sessão de treino em que o corpo técnico trabalhou na correcção dos erros cometidos no encontro com os tunisinos.
Por outro lado, os “Guerreiros” trabalharam também a elevação dos níveis motivacionais. Na fase de grupos, Angola derrotou Marrocos, por expressivos 32-21, com o parcial de 14 -12 ao intervalo. Embora não existam jogos idênticos, os pupilos de Filipe Cruz são teoricamente favoritos ao triunfo, mas devem  apresentar-se com cautelas no sentido de evitar  surpresas.
Defesa aguerrida, ataque organizado, exploração das linhas de passe, saídas rápidas para o contra-ataque é o que se recomenda ao conjunto angolano. Os marroquinos, por sua vez, planeiam redimir-se da derrota passada e equilibrar os números.
Ainda hoje, às 19h00, Tunísia e Egipto reeditam a final de 2016. Face ao desempenho apresentado no decorrer da prova pelos contendores, ambos repartem o favoritismo.
 Os faraós ambicionam a revalidação do título, ao passo que os tunisinos almejam o resgate. Às 9h00, Congo Democrático e Brazzaville jogam pelo sétimo posto da tabela classificativa, um desafio entre vizinhos separados pelo rio com o mesmo nome,  e às 11h00, Argélia e Gabão disputam o quinto. Com a vitória sobre a Nigéria, por 27-19, a selecção dos Camarões terminou no nono lugar, relegando os nigerianos para a cauda da tabela.

Tempo

Multimédia