Desporto

Guerreiros incapazes de evitar goleada frente à selecção sueca

Silva Cacuti | Copenhaga

Sem surpresa, a Selecção Nacional sénior masculina de andebol , ontem, foi incapaz de evitar a segunda derrota no Campeonato Mundial, que decorre na Alemanha e Dinamarca, desta para a forte Suécia, por 37-19, quando ao intervalo já perdia, por 14-19.

“Sete” angolano pretende surpreender pela segunda vez os amantes do andebol mundial
Fotografia: Dr

A equipa nacional, pode dizer-se, jogou na contenção, pois sabia que os suecos não eram do seu campeonato. Es-forçar-se até à exaustão seria facilitar as coisas aos adversários que se seguem, com os quais estatisticamente é possível ombrear.
A selecção desceu ao piso do Royal Arena  e entrou destemida. Sofreu golo na primeira jogada e marcou logo a seguir. Conseguiu esta sequência nos primeiros três minutos, e o empate a três golos no marcador silenciou boa parte do pavilhão, ocupado por muitos suecos.
A Suécia agigantou-se, tinha a obrigação, mas Angola replicou à medida. Perto do minuto 25, a defensiva angolana baqueou, os nórdicos esticaram o marcador.
Perto do intervalo, o pivô Teka ficou à janela com a se-gunda suspensão de dois mi-nutos. O apito do intervalo disparou quando a Suécia conseguiu a primeira vantagem de cinco golos (19-15).
No reatamento do jogo, Angola defendia bem e foi a primeira a marcar, após três minutos. Podia marcar mais, mas Mikael Appellgren, que jogou na baliza em substituição do titular Andreas Palicka, aproveitou bem a oportunidade.
Estragou o jogo de Angola. Aos 38 minutos, Gabriel Teka, que estava à janela, foi expulso do jogo, por nova falta. O marcador estava em 23- 15.
Daí em diante a Suécia geriu a vantagem, ante o estoicismo da equipa africana, cujos esforços se esfumavam na exibição do impiedoso guarda-redes sueco.
Noutros jogos do grupo, a Hungria venceu o Qatar por 32-26, ao passo que o grande jogo da noite, entre a Argentina e o Egipto, terminou com vitória por 22-20 dos sul-americanos.
Ontem, também foi dia para a primeira vitória da Tunísia, 36-30, sobre o Chile, no grupo C, em Herning. Em Berlim, Grupo A, a Alemanha, co-organizadora da prova, cedeu ponto ao empatar a 22 golos diante da Rússia.

Selecção arregaça mangas para jogo decisivo

A selecção entra amanhã para a disputa dos jogos de maior importância, para as suas aspirações  na  26ª edição do Mundial, no Grupo D, que se disputa em Copenhaga, Dinamarca.
No primeiro destes confrontos vai defrontar a Argentina, campeã Pan-americana, às 15H30 e,  amanhã, no mesmo horário, mede forças com a se-lecção egípcia, vice-campeã continental. Hoje, o grupo que joga em Copenhaga regista pausa e Filipe Cruz, seleccionador nacional, vai trabalhar com a equipa, visando esta fase importante da prova.
Angola, Egipto, Argentina e Qatar têm uma luta a quatro por duas vagas para a fase seguinte, para a qual a Hungria e a Suécia já estão apuradas.
Além da observação aos vídeos dos adversários, a equipa angolana vai ter hoje, às 15h00,  um treino de campo em que a redução das falhas técnicas e “tournovers” vai estar no centro da prelecção de Filipe Cruz.
Ainda assim, Filipe Cruz acredita que tudo o que se faz a 24 horas ou menos do jogo pode ter pouco efeito na prestação  da equipa. Por isso, o treinador valoriza mais o trabalho feito ao longo da preparação para a prova. “Vamos ver vídeos, mas o problema não está com os outros. Nós é que temos que rever a nossa forma de jogar, manter o foco. Em termos de trabalho não há mais nada a fazer, vamos conversar e ver se ganhamos os jogos em falta”, disse.

 

Tempo

Multimédia