Desporto

Interclube evita desaire no terreno do Libolo

Honorato Silva

Atitude de candidato à conquista do título e capacidade de resistência permitiram, ontem, ao Interclube, regressar com pontos da  visita ao terreno do Recreativo do Libolo, mercê do empate (1-1), na abertura da 12ª jornada do Campeonato Nacional de Futebol da I Divisão, Girabola Zap, que tem adiado para manhã o jogo JGM do Huambo Sagrada Esperança.

Apesar da igualdade, os polícias continuam na liderança
Fotografia: Vigas da Purificação| Edições Novembro

O primeiro quarto de hora foi de maior acerto dos polícias. A equipa orientada por Paulo Torres chamou a si o domínio do jogo, enquanto os libolenses às ordens de Kito Ribeiro procuravam formas de estancar a vertigem ofensiva criada por Mano Calesso e Caranga, nos corredores laterais.
Conhecedor do terreno, por ter representado o Libolo, Dany destacava-se como a unidade pendular no meio campo da formação do bairro Rocha Pinto, que obrigava os donos da casa a redobrar a atenção no processo defensivo. Seguro entre os postes, o guarda-re-des Wilson Alegre procura-va transmitir tranquilidade e confiança aos colegas.
Mas, antes da meia hora, o desafio registou um quadro de equilíbrio, numa toada de ataque e contra-ataque, com as estruturas defensivas a serem solicitadas a intervir, para evitar o avanço do adversário no marcador. Caiá esteve perto de violar a baliza de Landu, que na resposta viu Mano Calesso colocar à prova a atenção de Wilson.
Pouco dado a ensaios esteve Hervé Ndonga, que aos 37 minutos aproveitou da melhor maneira o cruzamento de Viet, para fazer o 1-0. E as coisas não tardaram a ficar mais complicadas para o Interclube, com a expulsão de Fabrício, “capitão” de equipa, por desferir uma cotovelada ao avançado congolês democrata do Recreativo do Libolo.
A tranquilidade demonstrada pelos comandantes isolados da competição, na maior parte dos jogos, deu lugar a um período de certo descontrolo emocional, cujo desfecho só não foi mais dramático por força da atitude condescendente do árbitro FIFA José Álvaro, da Associação do Huambo, que optou por aplicar um critério largo.

Estofo de candidato

O segundo período acabou marcado pelo surgimento de um Interclube disposto a continuar a lutar pela conquista de pontos, apesar da desvantagem numérica, que deixou de se fazer sentir.
Pouco dado a ensaios esteve Hervé Ndonga, que aos 37 mi-nutos aproveitou da melhor maneira o cruzamento de Viet, para fazer o 1-0. E as coisas não tardaram a ficar mais complicadas para o Interclube, com a expulsão de Fabrício, “capitão” de equipa multiplicados em campo.
As mudanças operadas na equipa levaram os polícias a mostrar os músculos ao conjunto de Calulo. Embora a toada de jogo fosse de equilíbrio, a tendência apontava para o ascendente dos forasteiros, à procura do golo da igualdade, marcado aos 71 minutos, por Kaporal, lançado na etapa complementar.
O desfecho do desafio acabou por premiar a entrega do Interclube, que conseguiu evitar o desaire, depois de ter goleado o JGM do Huam-bo, por 5-0, no final de sema-na, enquanto o Recreativo do Libolo registou o quinto empate consecutivo, série que se segue à derrota (0-2), na deslocação à casa do confrade da Caála, na sétima jornada.

Tempo

Multimédia