Desporto

Leonel da Rocha Pinto defende qualificação nos Jogos Africanos

António Cristóvão

O presidente do Comité Paralímpico Africano (APC, sigla em inglês), Leonel da Rocha Pinto, defendeu ontem, em Luanda, que os atletas com deficiência devem qualificar-se para as competições internacionais, Jogos e Campeonatos do Mundo, durante a disputa da prova no continente.

Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

“Queremos mostrar que a nível de África é possível realizar os Jogos Paralímpicos Africanos, qualificativo para os Jogos Paralímpicos e Campeonatos do Mundo. Precisamos de organizar este tipo de competição em África”, destacou o responsável.  
O dirigente do APC anunciou à imprensa nacional, que a primeira edição dos Jogos Paralímpicos do continente, cujo país organizador não é ainda conhecido, está marcado para 2019.
“É prematuro falar em candidaturas. Estamos a trabalhar com a União Africana e Comité Paralímpico Internacional (IPC) de modo a criarmos todas as condições para a realização dos Jogos Paralímpicos”, disse Leonel da Rocha Pinto antes do seminário entre dirigentes do APC e representantes da União Africana (UA).
Um dos membros do organismo reitor garantiu ao Jornal de Angola que Marrocos, África do Sul e Nigéria são os únicos países que reúnem as melhores condições em infra-estruturas desportivas para albergara primeira edição do evento africano.
O seminário, aberto ontem pelo secretário de Estado dos Desportos, Carlos Almeida, encerra hoje à tarde no Hotel Baía, na Praia do Bispo, com abordagem aos temas sobre“actividades do Comité Paralímpico Africano em 2018, com parceria da Agitos Foundation”, “Jogos Paralímpicos Africanos em 2019, e outras competições africanas”. Ontem à tarde, os membros do APC e representantes da União Africana foram recebidos em audiência pela ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento  Neto.

Tempo

Multimédia