Desporto

Luta pelo terceiro lugar leva emoções à Cidadela

Armindo Pereira

A disputa pelo terceiro lugar do “playoff” do Campeonato Nacional sénior feminino de basquetebol, a melhor de três, entre Grupo Desportivo do Maculusso e Inter de Benguela, com início agendado para domingo, às 16h00, no pavilhão Gimnodesportivo da Cidadela, promete levar ao rubro as emoções dos aficcionados da bola ao cesto.

Equipa do Desportivo do Maculusso( de branco) persegue a medalha de bronze da competição
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Os dois conjuntos foram afastados das meias-finais pelas equipas mais consistentes, mas deixaram boa impressão, o que faz antever uma disputa renhida entre equipas do mesmo campeonato, muito equiparadas em termos individuais, se olharmos para a constituição dos respectivos plantéis.
As duas agremiações conseguiram cumprir com um dos objectivos: perder por números pouco expressivos com os “grandes”.  O Maculusso foi afastado da fase do título, após perder com o 1º de Agosto (55-30 e 59-41), tal como aconteceu com o Inter de Benguela, superado pelo confrade da capital, por 63-42, no primeiro desafio e 68-56, na quartafeira.                                                                                   
Hilário Filipe, timoneiro da equipa da Cidade da Acácias Rubras, revelou que as partidas da meia-final deixaram “bons indicativos” para a próxima meta: o terceiro lugar do pódio. No entanto, reconhece que do outro lado vai estar uma equipa com as mesmas características que a sua.  
“O Maculusso é uma equipa com as mesmas características que a nossa. É muito aguerrida, luta até a exaustão, nunca vira a cara à luta e tem evoluído a cada jogo. É por esta razão que vamos trabalhar com cautelas;  recuperar o grupo nos dias que restam, de modo a estar bem no domingo, e começar da melhor maneira a nossa caminhada rumo ao terceiro lugar”
Transpor a defesa à zona é uma das dificuldades que Hilário Filipe identificou no seu plantel, como ficou pa-tente no segundo desafio contra a equipa militar, so-bretudo no último quarto. “É um dos aspectos a melhorar, e neste último jogo con-tra o 1º de Agosto ficou patente”, analisou.
Teresa Sacato, Madalena Silva, Tatiana Jamba, Regina Pequeno, Iracelma Manuel, Tárcia Xavier, Leopoldina Emílio, Mariana Manuel, Eliane Santos, Elsa Fabiano, Ivanilda Manjenje e Jéssica Malage constituem o plantel do Inter de Benguela. 
Por seu turno, Júlio Machado “Papa” deixou claro que pretende repetir a proeza do ano passado: a conquista do terceiro lugar.
De igual modo, o treinador do Maculusso antevê partidas com elevado grau de dificuldade. “Falei com as mi-nhas jogadoras sobre as dificuldades que vamos ter de enfrentar. Estamos proibidos de cometer muitos erros, sob pena de comprometer os nossos objectivos”, argumentou
Das 12 jogadoras, duas encontram-se entregues ao departamento clínico por lesão. Trata-se da extremo-base Stela Iongue e a extremo Kilanda Daniel, ausentes no desafio de quarta-feira. Júlio Machado acredita que as mesmas possam recuperar até domingo.
A extremo Ruth Paim é das que mais tem se destacado, fruto da sua capacidade individual de penetrar e desenquadrar o adversário directo, em marcha para o cesto.

Final esperada            
Ainda no domingo, as atenções vão estar voltadas para a reedição do “playoff” da final da época passada, a melhor de cinco, entre 1º de Agosto e Interclube, as duas agremiações mais tituladas do Campeonato Nacional.
O 1º de Agosto tem na sua galeria 12 troféus, mais um que o arqui-rival, em 24 edições até aqui disputadas. o Grupo Desportivo da Nocal é o único que conseguiu se “intrometer” na disputa entre “militares “e “polícias”, em 1998.
Este vai ser o sétimo desafio entre ambas, na presente temporada. A equipa afecta ao Ministério do Interior leva clara vantagem, com o saldo de cinco vitórias, quatro delas obtidas na fase regular do nacional.

Tempo

Multimédia