Desporto

Mazembe defende futuro do 1º de Agosto na prova

Honorato Silva | Ndola

A continuidade do 1º de Agosto na 24ª edição da Liga dos Clubes Campeões Africanos de futebol começa a ser decidida hoje à noite, quando jogarem Zamalek do Egipto e TP Mazembe do Congo Democrático, às 19h00 na cidade do Cairo, para a penúltima jornada do Grupo A.

Rubro e negros fazem treino de adaptação à relva do Estádio Levy Mwanawasa
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Últimos classificados com dois pontos somados, à semelhança do Zesco United da Zâmbia, os militares do Rio Seco, tetra-campeões do Girabola, torcem por uma vitória da equipa congolesa, líder da série, dez pontos, já apurada para os quartos-de-final, de modo a discutirem, em caso de triunfo amanhã, o passe no frente-a-frente com os egípcios.

Na segunda posição, sete pontos, o Zamalek precisa apenas de um triunfo hoje, para aniquilar as pretensões do 1º de Agosto em ultrapassar a fase de grupos. Um empate esta noite vai obrigar o embaixador angolano a vencer sábado, no Estádio Nacional 11 de Novembro, por uma margem de três golos, com vista a anular a derrota (0-2) sofrida na deslocação ao Cairo.
Embora esteja apurado, o TP Mazembe está focado no controlo do primeiro lugar, e assim evitar cruzamentos com adversários mais complexos na próxima etapa da prova. Por outro lado, o colosso do futebol continental joga em defesa da parceria estratégica estabelecida na base da boa vizinhança defendida pelo empresário Moise Katumbi, proprietário do clube, que identifica nos rubro e negros potencial humano e estrutural para crescer no plano competitivo.
Igualmente hoje, à mesma hora, jogam Wydad Casablanca de Marrocos e USM da Argélia, para o Grupo C, do Petro de Luanda, que recebe amanhã, com poucas hipóteses de apuramento, o bem-sucedido Mamelodi Sundowns da África do Sul, primeiro classificado, dez pontos, já qualificado.
Um triunfo dos marroquinos, segundos com seis, deita por terra as aspirações de petrolíferos e argelinos. O representante angolano torce por um empate ou triunfo do USM, adversário que esperam derrotar na derradeira jornada, certos de que os sul-africanos vão vencer em casa, diante do Wydad. Assim estarão apurados, com oito pontos.
No Grupo B, Étoile du Sahel da Tunísia, líder com nove pontos, e Al Ahly do Egipto, do angolano Geraldo, segundo, sete, travam domingo às 19h00 a disputa pela primazia, já informados do resultado do Al-Hilal Omdurman do Sudão, terceiro, seis, na visita amanhã ao Platinum FC do Zimbabwe, último com apenas um ponto.
A primazia no Grupo D é discutida pelo Esperance de Tunis, primeiro, dez, e o Raja Casablanca de Marrocos, segundo, sete, num confronto directo amanhã às 19h00, na capital tunisina. Praticamente sem hipóteses de continuar em prova, AS Vita Club do Congo Democrático, quarto da série, um ponto, e JS Kabylie da Argélia, terceiro, quatro, jogam às 16h00, em Kinshasa.

Adido militar reforça comitiva em Ndola

Desde ontem ao princípio da tarde em Ndola, centro mineiro da vizinha Zâmbia, a delegação do 1º de Agosto, chefiada pelo presidente do clube, Carlos Hendrick da Silva, está reforçada pelo adido militar da Embaixada de Angola, coronel João Constantino Epalanga, que fez questão de receber a equipa no aeroporto.
O grupo às ordens do bósnio Dragan Jovic realiza o último ensaio hoje, falta definir se será no período matinal ou nocturno, no Estádio Levy Mwanawasa, com capacidade para albergar 49.800 espectadores. O treinador dos militares disse, à chegada a Ndola, que estão determinados a vencer. “Para fazer sentido qualquer vantagem a retirar do outro jogo, temos de ser capazes de fazer a nossa parte. Conquistar os três pontos”, clarificou.
A disponibilidade de Macaia, poupado domingo na vitória (4-0) sobre o Progresso Sambizanga, aponta para a aposta num tridente no meio campo, com Mário e Ibukun, como forma de condicionar a organização de jogo dos zambianos, cuja marca deixada na estreia, em Luanda, foi a rapidez nas transições ofensivas, depois de recuperar a bola na defesa. O regresso de Isaac, na lateral direita, deixa Paizo apto a ocupar o
corredor esquerdo, em substituição de Natael, numa estrutura comandada por Dany Masunguna e Bobó no centro, quando o ataque continua entregue a Mabululu, apoiado por Nelson da Luz e Ary Papel.

Tempo

Multimédia