Desporto

Militares jogam focados na correcção do enguiço

Honorato Silva

Em alerta máximo, a prevenir eventual deslize susceptível de colocar em causa a materialização do segundo tricampeonato da sua história, o 1.º de Agosto recebe o aflito Domant FC do Bengo, às 17h30, no Estádio Nacional 11 de Novembro, proibido de desperdiçar pontos, depois do empate (0-0), na quarta-feira frente ao Recreativo da Caála, no mesmo recinto.

Bicampeões jogam com o objectivo de recuperarem a liderança partilhada com o rival
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Evitar ser dominado, pela ansiedade e o estoicismo defensivo do adversário à procura de pontos para permanecer no Girabola, é a aposta da equipa militar liderada tecnicamente por Zoran Macki, cujo foco, na partida referente à 26ª jornada, última em atraso da competição, está no controlo do arqui-rival Petro de Luanda, a uma distância pontual que permita abordar os dois jogos finais sem sobressaltos.
A experiência vivida com os caalenses deixa os bicampeões avisados de que o fosso existente entre as equipas, na tabela classificativa, não garante a conquista dos três pontos. Apenas o desempenho dentro das quatro linhas define o desfecho do desafio, por isso está posta de parte a hipótese de existir um vencedor antecipado.
Na liderança do Girabola com 50 pontos, contra os 22 do Domant FC, no 14.º lugar, o 1.º de Agosto é amplamente favorito à vitória. Pela qualidade e extensão do seu plantel, rodado nas Afrotaças, supremacia reforçada por estar a jogar em casa.
O revés sofrido a meio da semana pode impelir a formação rubra e negra a adoptar uma postura demolidora, determinada em evitar o adiamento do surgimento do primeiro golo, demora que enerva os adeptos e esses pressionam e intranquilizam os jogadores.
Para tal, as acções ofensivas têm de ser conduzidas de forma mais incisiva e o poder de fogo calibrado, com vista a contornar o festival de bolas aos ferros proporcionado por Mário, certeza de qualidade e sucesso, no meio campo.

Domant atrevido

Na primeira volta, os agostinos venceram por 3-1, mas a folga expressada pelo resultado esteve longe de representar a ideia da à vontade ou domínio total da partida. Foram obrigados a puxar dos galões, para colocar em sentido um opositor sem medo de olhar nos olhos os seus oponentes, independentemente do estatuto.
Apenas a instabilidade administrativa, marcada pela constante entrada e saída de treinadores, pode justificar o facto de uma equipa escolarizada, no domínio da textura futebolística, esteja a lutar para evitar a despromoção.
É quase garantido que vamos ter uma disputa acesa, porque o Domant tem revelado falta de capacidade para adoptar uma postura submissa, com o recuo defensivo e saída esporádicas em acções de contra-ataque. Prefere assumir o jogo, apesar do desnível de valores.
Em gestão de esforço, tendo em vista o desafio do próximo sábado, frente ao Etoile du Sahel da Tunísia, em Sousse, referente à penúltima jornada do Grupo D da Liga dos Clubes Campeões Africanos, o 1.º de Agosto vai, certamente, apostar nos titulares Tony Cabaça, Isaac, Dany Masunguna, Bobó, Show, Mário, Ibukun e Mongo, enquanto no Domant se destacam Cabetula, Cabibi, Ritchi e Medá.
O grosso da ronda registou os seguintes resultados: FC Bravos do Maquis-1.º de Maio de Benguela (3-0), Sporting de Cabinda-Sagrada Esperança (0-0), Recreativo do Libolo-Desportivo da Huíla (3-0), Petro de Luanda-Recreativo da Caála (2-1), Académica do Lobito-Progresso Sambizanga (1-0) e Kabuscorp do Palanca-Cuando Cubango FC (2-1).


Tempo

Multimédia