Desporto

Motores voltam a roncar no circuito de Malanje

Armindo Pereira

A província de Malanje volta a receber uma prova de automobilismo e motociclismo, mais de quatro décadas depois, denominada “Grande Prémio AHRA”, no circuito citadino, pontuável para a segunda jornada do Campeonato Angolano de Velocidade (CAV), nos dias 29 e 30 do corrente.

Depois de Namibe pilotos e respectivas equipas técnicas partem para a cidade de Malanje
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro | Lubango

Depois das duas primeiras provas a nível do Campeonato Angolano de Rali Raid (CARR), em 2018 e este ano, a Federação Angolana de Desportos Motorizados (FADM), em parceria com a Associação dos Hotéis e Resorts de Angola (AHRA), volta a levar o roncar dos motores à terra da Palanca Negra Gigante.
O facto de a província não acolher uma prova de velocidade desde o período que antecedeu a proclamação da Independência Nacional, aumenta a expectativa no seio dos aficcionados da modalidade, com maior realce para os pilotos, com alguma ansiedade para sentir adrenalina num circuito desconhecido.
Na semana passada, o secretário-geral da FADM, Zaza Rodrigues, esteve no local para tratar de questões de ordem técnica, depois de manter contacto com as autoridades locais. Em declarações ao Jornal de Angola, o dirigente confirmou o facto e garantiu que o governo local está empenhado em assegurar o êxito da prova.
“A minha presença e do vice-presidente da FADM em Malanje foi para tratar de assuntos técnicos e administrativos. Tivemos encontros com o vice-governador para infra-estruturas, Gaspar Pontes, e o director dos Desportos, Fernandes Cristóvão. Criamos as comissões de trabalho, uma vez que a província não dispõe de uma associação”, avançou Zaza Rodrigues.
De acordo com o secretário-geral da FADM, as partes mais críticas do traçado já foram identificadas e vão merecer intervenção nos próximos dias. A realização desta prova do CAV em Malanje, ainda de acordo com aquele dirigente, tem despertado o interesse de alguns pilotos que há algum tempo não participam das competições do calendário.
Em motociclismo estão confirmadas as presenças dos Teams Cuanza-Sul (2 pilotos), Rufino & Filhos (2), Huambo (3), Armando (2) e OP com o número de corredores ainda por definir.
Nos carros o número de inscrições aumentou consideravelmente nas últimas horas: Zé Costa. Riquito, Rui Ferreira, Luís Gonçalves, Moura Fernandes, Jorge Pires “Py”, Ramiro Barreira, Bruno Martins, Manuel Esteves, Janson Santos, Edwin Santos, José Roxo e Carlos Ferreira confirmaram presença.
A organização aguarda a todo instante pelas confirmações de Luís Fernandes, Armando Guedes, Nuno André, o veterano Lili Guedes e Miguel Pula. Informações postas a circular nas redes sociais dão conta da pretensão de fazer-se disputar em paralelo uma corrida de motociclismo da categoria dos 125 centímetros cúbicos, vulgo Kupapatas, com carácter lúdico.
De igual modo, é esperada a presença dos distintos grupos e clubes de “Motards” da capital Amigos da Picada, Palancas do Asfalto entre outros. Estes “desbravadores” destacam-se pela imponência das suas máquinas e organização. Dificilmente passam despercebidos onde há concentração de pessoas, pelo colorido que emprestam.
A segunda prova do calendário de 2019 do CAV esteve inicialmente agendada para Benguela, mas foi cancelada por dificuldade financeira e falta de patrocínios,segundo a direcção do órgão reitor.
Nos últimos dez anos, Associação Provincial de Motocross de Luanda (APML) foi a que mais vezes levou o roncar dos motores para aquelas paragens, com a realização de várias provas de forma intercalada.

Tempo

Multimédia