Desporto

Número de derrotas determina campeão

Anaximandro Magalhães

A discussão pelo título de campeão nacional de futebol da I Divisão, Girabola’2018, entre os eternos rivais, ficou marcada pelo menor número de derrotas do 1º de Agosto, uma, contra duas do Petro de Luanda.

Segredo esteve na vitória militar, por 2-0, na segunda volta
Fotografia: Santos Pedro| Edições Novembro

O saldo final dos dois co-lossos do desporto doméstico não difere muito. Em 28 partidas, os militares às ordens do sérvio Zoran Macki ga-nharam 15 e empataram 12, tendo conquistado no geral 57 pontos.
Por sua vez, os petrolíferos orientados pelo brasileiro Roberto “Beto” Bianchi, so-maram 14 triunfos e 12 empates e totalizaram 54 pontos na tabela classificativa.
O percalço rubro e negros, tendo estes perdido os três pontos correspondentes ao triunfo,  foi frente à Académica do Lobito, em desafio referente à quarta jornada, no Estádio Ombaka, na presença de mais de três mil e quinhentos espectadores. Daí em diante, o conjunto do Rio Seco, com o rótulo de bi-campeão não mais conheceu o sabor amargo da derrota.   
Bianchi e pupilos terão dito adeus ao título quando na 25ª ronda, no Estádio Nacional 11 de Novembro, consentiram, por 0-2, ante o 1º de Agosto, o segundo desaire no Girabola. Antes, a formação do Eixo Viário tinha perdido, 0-1, para o Recreativo da Caála, no Huambo.
Nos 28 jogos, os agostinos marcaram 31 golos, média de 1,1 por desafio, e sofreram 8, 0,2 conseguindo o feito de defe-sa menos batida da prova. O melhor ataque foi do Petro de Luanda, 38 golos, média de 1,2. Os tricolores sofreram 15 golos, 0,5 de média por encontro. 

Tempo

Multimédia