Desporto

Eternos rivais discutem hoje título da Supertaça

Teresa Luís

Petro de Luanda e 1º de Agosto protagonizam mais um “duelo de titãs”, quando se defrontarem, hoje às 19h00, no Pavilhão Palanca Negra Gigante, em Malanje, em partida referente à 13ª edição da Supertaça “Francisco de Almeida”, em andebol sénior feminino.

Militares pretendem terminar com domínio petrolífero na prova de abertura da temporada
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Doze títulos entram em campo. As petrolíferas comandadas por Vivaldo Eduardo somam 11, enquanto as militares às ordens de Morten Soubak contam com um. Nas vestes de detentoras do ceptro e campeãs nacionais, as tricolores assumem o desejo de revalidar o troféu.
Mas reconhecem que se trata de uma tarefa árdua, ante as ambições do conjunto adversário. A ausência da lateral direita Aznaide Carlos, a contas com uma lesão no joelho direito, é a baixa de vulto. Por esta razão, a primeira linha do Petro pode ficar fragilizada.
Magda Cazanga, Teresa Almeida “Bá”, Joana Costa, Delfina Mugongo, Suzeth Matias e Vilma Neganga têm a missão de motivar as demais para a vitória. Na condição de vencedoras de Taça de Angola e vice-campeãs do nacional, no seio das rubro e negras a aspiração de conquistar o ceptro pela segunda vez salta à vista.
Com um plantel recheado de “estrelas”, no 1º de Agosto pontificam as experientes Albertina Kassoma, Janeth Santos, Natália Bernardo, Cristiane Mwasessa, Wuta Dombaxi, Liliana Venâncio, sem desprimor para as outras integrantes do conjunto.
Os aficionados da modalidade residentes naquela província têm a oportunidade de assistir o melhor do andebol africano, num desafio onde a maturidade competitiva, aliada à agressividade defensiva e ofensiva podem determinar a equipa vencedora.
Aguarda-se por uma partida equilibrada, cujo desfecho se mostra imprevisível. As oponentes vão esgrimir os argumentos técnicos e tácticos, de modo a regressarem com o cobiçado troféu.

Disputa masculina
Em masculinos, o Desportivo da Marinha defronta às 16h00, no mesmo recinto, o 1º de Agosto. Orientados por Nelson Catito, os marinheiros jogam pela primeira vez a Supertaça, na condição de finalistas derrotados no nacional e na Taça de Angola.
Com a saída do central Cláudio Lopes e do ponta Agostinho Lopes, o grupo pode evidenciar alguma instabilidade nas primeira e segunda linhas. Apesar do desfalque, os pupilos de Catito estão motivados para fazer uma boa partida.
Os militares tecnicamente comandados por Filipe Cruz ambicionam conquistar o troféu pela sexta vez. Com os rótulos de campeões nacionais e detentores da Taça de Angola, os agostinos são teoricamente favoritos ao triunfo, embora o equilíbrio possa prevalecer durante o encontro.
A Supertaça abre oficialmente a época 2019 da Federação Angolana de Andebol, e visa homenagear o primeiro presidente da instituição, Francisco de Almeida.

Tempo

Multimédia