Desporto

Sismo provoca o adiamento dos mundiais paralímpicos

O Comité Paralímpico Internacional (IPC) decidiu ontem adiar os mundiais de natação e levantamento do peso, previstos para a Cidade do México, que foi na terça-feira afectada por um terramoto.

Mexicanos foram devastados por um violento terramoto
Fotografia: Enrique Castro Sanchez | AFP

“Logo após o terrível terramoto, os nossos pensamentos, orações e condolências estão com os mexicanos. A trágica perda de vidas e devastação causadas são terríveis de ver. Como resultado desta tragédia, estamos totalmente de acordo que o foco imediato das autoridades deve ser a recuperação e reconstrução e não organizar grandes eventos internacionais”, afirmou Andrew Parsons, presidente do IPC.
As avaliações dos estragos e da situação social que se vive na capital mexicana ditou o adiamento das competições que deveriam decorrer de 30 de Setembro a 6 de Outubro.
Apesar das infra-estruturas que iam receber os mundiais terem sofrido apenas danos menores, foi feita uma apreciação global que incluiu ainda alguns hotéis que iam hospedar os atletas e que sofreram danos considerados graves.
Ao todo estavam previstos 1400 participantes, incluindo membros das respectivas comitivas, com destaque para David Grachat, Ivo Rocha, Amadeu Cruz e Marco Meneses, para-atletas portugueses.

Vítimas nos escombros

Pelo menos 224 pessoas morreram na sequência do sismo de magnitude 7,1, incluindo 21 crianças numa escola que ruiu na capital, informou ontem o governo mexicano.
“Cerca de 117 pessoas perderam a vida na cidade do México, 39 em Puebla, 55 em Morelos, 12 no Estado do México e uma em Guerrero”, disse à estação Televisa o secretário de Estado do Interior, Miguel Ángel Osorio.
As autoridades informaram que, na sequência do abalo sísmico, 45 edifícios ruíram e que temem que haja pessoas sob os escombros.

Tempo

Multimédia