Desporto

Palancas Negras realizam estágio na África do Sul

António Cristóvão

A Selecção Nacional de Futebol de Honras “Palancas Negras” vão realizar um estágio pré-competitivo em Joanesburgo, África do Sul, tendo em vista a participação na 32ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN/2019), a disputar-se de 21 de Junho a 19 de Julho no Egipto, com o objectivo de competir ao mais alto nível na prova continental.

Selecção Nacioanl de Futebol de Honras vai estagiar na África do Sul para o CAN do Egipto
Fotografia: Dombele Bernardo | Edições Novembro

Em declarações ao Jornal de Angola, Artur Almeida e Silva, presidente de direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF), confirmou a realização do estágio de preparação, mas evitou avançar datas.“Estamos a arranjar alguns jogos de preparação. Mas, tudo isto tem uma implicância financeira muito forte para cumprirmos”, salientou o dirigente desportivo.
Além do estágio na África do Sul, Artur Almeida e Silva garantiu, igualmente, que os Palancas Negras farão uma tournée por alguns países do “velho continente”, com o objectivo de adaptar-se ao clima semelhante ao do Egipto, devido à proximidade geográfica.
Artur Almeida e Silva fez saber que a direcção da FAF e o Departamento Técnico das Selecções Nacionais vão reformular o programa de preparação dos Palancas Negras, visando a disputa com êxito da competição africana. “Ainda não podemos dizer os valores exactos, porque precisávamos de fazer um enquadramento dos jogos de preparação. Estes desafios dependem muito das selecções que nos propusemos para jogar”, esclareceu, quando questionado sobre quanto precisam para a realização de um estágio no exterior.
O presidente da FAF enalteceu ainda o apoio directo do Presidente da República, João Lourenço, para que a Selecção Nacional confirmasse presença no CAN do Egipto. “Temos de dedicar esta qualificação à Sua Excelência Presidente da República, que nos deu o apoio directo para que pudéssemos disputar o último jogo”.
Ao balancear a prestação de Angola, Artur Almeida e Silva considerou positiva, porquanto o objectivo foi alcançado, que visava o apuramento.“A nossa participação foi positiva. Penso que agora o mais importante é fazer uma boa preparação para a fase final da prova, que se resume no aspecto financeiro”, alertou.
Na classificação, os Palancas Negras ocuparam a primeira posição do Grupo I da fase de qualificação ao CAN'2019, com 12 pontos, seguido dos Mourabitounes (Mauiritânia) também com 12, mas os angolanos levam vantagem no confronto directo (4-1 e 0-1). Os Cavalos do Burkina Faso ficaram no terceiro posto com 10 pontos, enquanto as Zebras do Botswana quedaram-se no quarto e último posto do grupo, com um ponto.
A cerimónia do sorteio do CAN realiza-se no próximo dia 12 de Abril nas Pirâmides, no Egipto, com os representantes das 24 selecções. Nesta edição da prova participam 24 selecções nacionais, ao contrário das competições anteriores, disputadas por 16 equipas.

Srdjan considera campanha difícil

O seleccionador nacional, Srdjan Vasiljevic, admitiu na cidade de Francistown, Botswana, que os Palancas Negras competiram num grupo difícil na campanha de qualificação para a 32ª edição da Taça de África das Nações (CAN) do Egipto.
“Foi um grupo bastante difícil. A Selecção Nacional de Honras começou com um resultado negativo, mas depois o grupo ganhou confiança e recuperou o nível, acabando no primeiro lugar, com 12 pontos”, disse em jeito de balanço.
O técnico sérvio reconhece que, se Angola tivesse falhado o apuramento, teria sido afastado do comando técnico dos Palancas Negras.
“Se não tivéssemos ganho, de certeza que iríamos ser despedidos, mas como ganhamos vamos continuar. Se não nos tivéssemos qualificado seria já criticado a partir daqui (Francistown). Não há repouso. Vamos começar a trabalhar”, declarou.
Srdjan Vasiljevic atribuiu o mérito da qualificação dos Palancas Negras à fase final do CAN ao Presidente da República, pessoal da equipa técnica e da Federação Angolana de Futebol (FAF).
“Pessoalmente dedico esta vitória ao Presidente da República, João Lourenço. É uma vitória também para o povo angolano. Felicito todos os jogadores, o pessoal da equipa técnica e a Federação que proporcionou boas condições. Dar mérito ao senhor Artur Almeida e Silva”, comentou.
O sérvio reconhece que houve pouco tempo para preparar o desafio com as Zebras, incluindo alguns problemas de lesão no grupo.
“Tivemos pouco tempo para trabalhar. Agora é momento de festejar. Consegui o primeiro objectivo que era alcançar o CAN. Ninguém acreditou quando cheguei a Angola”, finalizou o técnico.

Tempo

Multimédia