Desporto

Pérolas estreiam hoje frente à Guiné Conacri

Teresa Luís | Rabat

Oito meses depois da “cabazada”, por 42-22, em Brazzaville, as selecções de Angola e da Guiné Conacri, em andebol sénior feminino, defrontam-se, hoje às 12h00, em partida pontuável para a primeira jornada do Grupo A, da 12ª edição dos Jogos Africanos, no Pavilhão Multiusos de Casablanca “Mohamed V”.

Pupilas de Morten Soubak estão prontas para a reedição da partida do ano passado em Brazzaville
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Angolanas e guineenses desembarcaram em Marrocos com objectivos distintos. As Pérolas buscam a revalidação do título continental, ao passo que o combinado da África Ocidental procura melhorar a classificação passada.
As metas das oponentes, a par da constituição dos plantéis, deixam a descoberto aquilo que poderá ser a tendência, pois as comandadas de Morten Soubak são favoritas, ante uma adversária abaixo do seu nível.
O conjunto capitaneado pela central Isabel Guialo “Belinha”, quer jogar bem e vencer, por uma margem considerável de golos. Soubak seguramente vai aproveitar para rodar o banco. Depois do estágio pré-competitivo, na Coreia do Sul, durante o jogo “treino”, o técnico vai avaliar o desempenho das jogadoras menos utilizadas.
Às guineenses, recomenda-se concentração máxima, sob pena de verem a quadra inclinada. No outro desafio, Nigéria e Marrocos testam aptidões às 16h00. Nas vestes de anfitriãs, as marroquinas entram com ligeira vantagem frente às nigerianas.
O Congo Democrático descansa, por imperativo de calendário. Ainda hoje, a ronda inaugural do Grupo B reserva os não menos aliciantes Senegal-Tunísia, às 12h00, na quadra dois do Pavilhão “Mohamed V”, e Argélia-Uganda, duas horas depois, enquanto o Camarões cumpre folga.
Em masculinos, os “Guerreiros” de Filipe Cruz cruzam com a Nigéria, às 16h00, na primeira jornada do Grupo B. Embora tenha feito toda a preparação em Luanda, sem qualquer estágio, o “sete” nacional está focado na conquista da medalha de ouro.
Para alcançar a meta previamente traçada, o combinado angolano quer somar pontos diante do nigeriano. Circulação de bola eficiente, velocidade nas transições defesa ataque, exploração das linhas de passe de curta e longa distâncias, aliadas à finalização eficaz das acções ofensivas, é o recomendável à Selecção Nacional.
Geovany Muachissengue e Custódio Gouveia “Bana” (guarda-redes), Gabriel Teca (pivô), Romeu Hebo (central) e Adelino Pestana “Amarelo” (lateral direito) são os mais experientes do grupo de 16 atletas convocados para a missão “Rabat” e têm a obrigação de motivar os demais.
Duas horas antes, jogam as congéneres da Argélia e Burkina-Faso, numa partida em que o equilíbrio poderá ser o tónico mais marcante. Para o Grupo A, Egipto e Guiné Conacri medem forças às 10h00. Os faraós, actuais detentores do troféu, possuem argumentos de sobra para lograrem os dois pontos, frente aos guineenses.
Às 18h00, Marrocos e Zâmbia centralizam as atenções. O conjunto anfitrião tem responsabilidades acrescidas, começar com vitória, de modo a não defraudar as expectativas dos espectadores, no “Mohamed V”.

Angola e Marrocos jogam acesso às meias-finais

A dupla angolana, Edson Figueiredo e Edén Sequeira, defronta hoje, a partir das 9h00, a marroquina Abicha e Elgraoui, em desafio referente aos quartos-de-final, do torneio de voleibol, da 12ª edição dos Jogos Africanos, na praia de Salé.
Forasteiros e anfitriões entram para o campo em igualdade de circunstâncias. No Campeonato Africano, Angola venceu o Marrocos, por dois “sets” sem resposta (2-0) e nos Jogos de Sal, o Marrocos triunfou por 2-1.
Decididos a carimbar a presença na meia-final, Edson e Edén, detentores da medalha de ouro de Brazzaville, encaram o encontro como final antecipada. Por essa razão, precisam de fazer uma partida irrepreensível, com elevado nível de concentração.
O Jornal de Angola apurou junto do técnico Morais Abreu que o grupo está motivado e determinado a tudo fazer para jogar as meias-finais.
“É nossa ambição. É muito difícil jogar com a selecção anfitriã, mas não é impossível vencer. Preferíamos cruzar com eles depois. Trata-se de uma desforra. Ontem, durante o treino, corrigimos as coisas que não estiveram bem no desafio anterior. Hoje, não são permitidos erros. É assim que projectámos o encontro”, disse o treinador.
Duas vitórias e uma derrota é o saldo da dupla angolana, na fase preliminar do Grupo C. Os comandados de Morais Abreu derrotaram a dupla do Benim, por 2-0, e da Argélia, por 2-1. No encontro com a selecção do Rw-anda perderam por 1-2. Angola perdeu o primeiro “set” 20-22, venceu o segundo 21-18 e perdeu o terceiro 14-16.
Teresa Luís| Rabat

Tempo

Multimédia