Desporto

Pérolas procuram equilibrar confronto com a Eslovénia

Amândio Clemente

A Selecção Nacional sénior feminina de andebol vai procurar equilibrar hoje, às 10h00, o desafio com a similar da Eslovénia, em desafio pontuável para a terceira jornada do Grupo A, da 24ª edição do Campeonato do Mundo da categoria, que se disputa desde o passado sábado até dia 15 do corrente, em Kumamoto, Japão.

Selecção pretende melhorar sistemas defensivos para diminuir número de erros técnicos e evitar resultados muito desnivelados
Fotografia: DR

É mais um teste difícil para as campeãs africanas, diante de um conjunto que ontem consentiu a primeira derrota, frente à candidata Noruega, e hoje pretende redimir-se e somar o segundo triunfo na competição para continuar a aspirar chegar à outra fase da competição. Todavia, as eslovenas vão ter pela frente a oposição das Pérolas, que estão a subir de rendimento jogo a jogo. As jogadoras angolanas apenas prometem equilibrar a contenda, e tentar contrariar o favoritismo da formação da Europa do Leste.
Pelo desnível existente entre os contendores, a Selecção Nacional vai certamente lutar para evitar uma derrota por números expressivos. O “prato quente” do dia no Grupo A coloca frente a frente as selecções da Sérvia e Noruega, um duelo que vai definir a liderança, já que ambas somaram vitórias nas duas primeiras jornadas. Ontem, a Sérvia cilindrou Cuba, por 46-27, ao passo que a Noruega vergou a Eslovénia, por expressivos 36-20. Estes números indiciam um jogo de alto nível e desfecho imprevisível.
A Holanda, por seu turno, tem tarefa menos complicada, pois mede forças com Cuba, claramente a selecção com menos argumentos do grupo, pelo que vai somar sem grandes dificuldades os dois pontos.
À entrada da terceira jornada, a liderança do Grupo A pertence à Noruega, com quatro pontos, os mesmos da Sérvia na segunda posição.
No Grupo B, Coreia do Sul e Brasil medem forças, num embate onde as asiáticas, que somam três pontos resultantes de triunfo e empate, aspiram chegar à segunda vitória e marcar posição para a fase seguinte da competição, ante as brasileiras que também querem ganhar depois de uma igualdade e derrota nas rondas já disputadas. No outro encontro da série, a França defronta a Austrália, num jogo que se antevê equilibrado. As francesas somam um ponto e as australianas ainda não pontuaram. A Alemanha, que hoje não joga, lidera o grupo com quatro pontos, mais um que a Dinamarca, na segunda posição.
A Espanha não vai ter muitas dificuldades no desafio com o Senegal. Moralizadas pelas vitórias nas jornadas anteriores, as espanholas vão certamente consolidar a liderança do Grupo C, ao passo que as representantes africanas vão lutar para evitar a derrota por números expressivos. A Roménia, que já tem uma vitória, também não vai ter de fazer um grande esforço para ultrapassar a Austrália, última sem pontos. Montenegro, não joga, mas está na segunda posição com os mesmos quatro pontos da Espanha, ao passo que a Hungria, que também folga, está no terceiro posto com dois.
Ontem, a Selecção Nacional consentiu a segunda derrota, desta frente à Holanda, por 28-35, quando ao intervalo já perdia por 12-17, num desafio em que Aznaide Carlos foi a marcadora de serviço do “sete” nacional com nove golos. A holandesa Lois Abbing, com 11 tentos, foi a melhor marcadora do jogo e considerada MVP (jogadora mais valiosa). A Selecção Nacional marcou 53 golos (média de 26,5) e sofreu 67 (33,5) nas duas partidas disputadas.
A lteral Aznaide Carlos partilha a sétima posição da lista das melhores desta edição do Campeonato do Mun-do com a espanhola Ale-
xandrina Cabral e Jovanka Radicevic, todas com treze golos, numa lista que integra também a central Helena Paulo, com nove. A sul-co-reana Hee Ein Ryu lidera a lista das “artilheiras”.

Tempo

Multimédia