Desporto

Petro de Luanda encurta vantagem do 1º de Agosto

Honorato Silva|

Na raça e capacidade de gestão do jogo, o Petro de Luanda encurtou para um ponto a vantagem do arqui-rival 1º de Agosto, no comando isolado do Girabola, ao derrotar o Progresso Associação Sambizanga, por 2-1, ontem no Estádio Nacional 11 de Novembro, na conclusão da 2ª jornada da competição.

Pupilos de Antonio Cosano confirmam favoritismo apesar da réplica da formação sambila
Fotografia: Miqueias Machangongo| Edições Novembro

O anúncio de safari futebolístico feito pelos tricolores do Eixo Viário, nos minutos iniciais, acabou por redundar em ilusão, pois foram obrigados a prestar mais que os serviços mínimos antes da deslocação ao reduto do Interclube com músculo de candidato à conquista do título, na próxima quarta-feira.
A equipa do espanhol Antonio Cosano teve de redobrar a entrega para suplantar o arreganho competitivo dos pupilos de Kito Ribeiro, que depois da inactividade do final de semana, devido à chegada tardia da ambulância ao Estádio dos Coqueiros, enfrentaram o colosso olho nos olhos. Demolidores, os petrolíferos dispensaram as formalidades protocolares do estudo mútuo, para indicar de imediato o sentido que pretendiam levar o desafio.
Acercaram-se da área do Progresso, incapaz de esconder o melindre na defesa da inviolabilidade da baliza, pelo menos até aos 10 minutos. Mas a serenidade dos sambilas não esteve ausente por mais tempo. Escolarizado na circulação da bola, sem qualquer receio do adversário menos assoberbados no capítulo financeiro, responderam à altura de uma partida frente ao clube detentor do maior número de conquistas na modalidade no país e disputada na nova catedral.
O primeiro sinal de real perigo pertenceu ao Petro, quando Yano, assistido por Diógenes, aos 17 minutos, rematou em raqueta com estrondo para a trave. Estava dado o aviso da chegada do 1-0, que acabou confirmado volvidos cinco minutos, com Dany a rematar certeiro de fora da área.
A vantagem pareceu dar asas aos tricolores, claramente preocupados com o forçar da nota, por forma a aumentar a expressão do marcador. Porém, o Progresso conseguiu resistir e, aos 33 minutos, ao aproveitar uma desatenção entre Wilson Gaspar e o guarda-redes Élber, empatou o jogo, resultado inalterado até ao intervalo.

Fartura de talento

O segundo tempo foi pintado em tons de equilíbrio, numa toada de alternância no ataque, com o perigo a rondar as duas balizas. Coube ao Petro de Luanda fazer aos 57 minutos, de grande penalidade transformada por Tony, o único golo da etapa complementar, disputada por duas equipas gigantes.
Talhados para trocar as voltas às equipas identificadas com as contas no topo da tabela classificativa, os rapazes do clube do popular distrito urbano do Sambizanga, encarnaram o espírito resiliente das gentes do bairro, como fizeram diante do tetra-campeão 1º de Agosto, no triunfo (1-0), e discutiram o resultado.
É verdade que contam as bolas anichadas no fundo da rede. No entanto, pela plasticidade do futebol apresentado, com largura, poder de circulação da bola e sentido de baliza, Kito Ribeiro tem motivos bastantes para sentir-se orgulhoso da sua equipa e, num abraço fraterno, dizer a cada um dos jogadores que estão no caminho certo.
O Petro saiu com anotações dos aspectos a melhorar durante a preparação do desafio frente aos "polícias". A equipa de Cosano revelou dificuldades no balanço ofensivo, nos momentos em que as linhas de passe foram fechadas antes de transpor o meio-campo. A segunda jornada registou igualmente os resultados 1º de Agosto - Desportivo da Huíla (2-0), Libolo - Williet (2-0), Maquis - Sagrada (1-0), Interclube - Ferrovia (3-0), Académica - Sporting (3-0) e Caála - Santa Rita (1-1).

 

Tempo

Multimédia