Desporto

Petro defende em casa futuro na Taça Mandela

Honorato Silva

Fora do registo ganhador de há três semanas, período em que assinou triunfos com boas exibições, o Petro de Luanda defende hoje, às 17h00, frente ao Gor Mahia do Quénia, no Estádio Nacional 11 de Novembro, a possibilidade de chegar à próxima fase da Taça Nelson Mandela.

Médio ofensivo Carlinhos realça estado de espírito da equipa e determinação para vencer
Fotografia: Kindala Manuel | Edições Novembro

Os tricolores estão obrigados a somar os primeiros pontos, na segunda jornada do Grupo D da prova continental, para evitar depender de terceiros nas contas da passagem aos oitavos-de-final, aposta da direcção do clube, que define como prioridade o regresso à conquista do título do Girabola, uma década depois.
A derrota (1-2) na visita ao Nars Hussein Dey da Argélia já faz parte do passado, mudança atestada pelo desempenho dos pupilos de Beto Bianchi no último clássico dos clássicos, apesar da vitória (1-0) do arqui-rival 1º de Agosto.
O Petro de Luanda é chamado a capitalizar o factor casa diante da formação queniana, que na ronda inaugural surpreendeu o continente com o triunfo gordo (4-2), na recepção ao colosso Zamalek do Egipto. A entrega dos jogadores, apoiados pelos adeptos, é a receita para fazer esmorecer a força ofensiva do adversário.
Concentração e paciência no controlo dos ritmos do jogo são os caminhos apontados ao embaixador angolano na procura do sucesso. A intensidade na disputa dos lances, imagem de marca da equipa, e a pressão na saída de bola do adversário po- dem condicionar as acções ao Gor Mahia.
Entrega redobrada
Sem Herenilson e Vá, que se juntaram a Além na lista dos indisponíveis, exige o redobrar da entrega dos jogadores às ordens de Bianchi, que no capítulo individual conta com o virtuosismo de Job, já recuperado do problema nas costas.
Com Gerson, Diógenes, Wilson, Danilson e Edy Afonso em prontidão para as despesas do sector defensivo, Manguxi, Toni e Tiago Azulão, reforçados por Carlinhos e Mateus, garantem as acções no sector intermédio e no ataque.
Pela textura do seu futebol, o Petro de Luanda está à altura das exigências da competição. A conquista dos três pontos coloca a formação do Eixo Viário em situação privilegiada na abordagem da corrida à fase seguinte da competição.
O Gor Mahia está em Luanda com pinta de competidor capaz de causar embaraços aos anfitriões, mesmo privado dos préstimos de Jacques Tuyisange, ponta-de-lança ruandês que faz do golo o seu sacerdócio. A segunda posição na Liga do Quénia, com 22 pontos, menos três em relação ao Mathare United, confirma a força competitiva dos visitantes.

Bianchi confiante na vitória

O treinador dos tricolores do Eixo Viário, Beto Bianchi, espera, como é natural, por um triunfo dos seus pupilos, hoje à tarde, diante do Gor Mahia FC, no Estádio Nacional 11 de Novembro, em Luanda.
“O ânimo do grupo é alto para o jogo, apesar da derrota na primeira jornada do grupo e no clássico com o 1º de Agosto. Estamos confiantes numa vitória. Vamos fazer de tudo para contrariar as intenções do adversário”, disse o técnico, durante a conferência de imprensa de antevisão ao desafio, realizada ontem no recinto do embate. Durante o encontro com a imprensa, Beto Bianchi mostrou que tem óptimas informações sobre o adversário, mas reconhece a sua qualidade.
“Sabemos que a equipa do Quénia é muito forte. Controla bem o jogo aéreo, e vem de uma vitória diante do Zamalek Sport Club. Acho que o moral deles é bastante alto”, destacou o hispano-brasileiro.
O médio Carlinhos alinha no diapasão do seu técnico, e mostrou-se confiante no triunfo. “Vamos fazer de tudo para vencer o jogo, porque vai ser importante para o grupo. Estamos bem preparados. Sinceramente, não tenho conhecimento sobre o adversário, mas isto não é problema nenhum”, sublinhou o médio ofensivo.
O técnico do Gor Mahia FC, o turco Hassan Oktay, considerou que o desafio vai ser difícil. “Sabemos que vamos ter um jogo difícil, contra uma grande equipa que é o Petro de Luanda. Mas, o Gor Mahia FC também não é um conjunto pequeno. Aliás, somos uma das melhores equipas do Oeste de África”, comentou.

António Cristóvão

Tempo

Multimédia