Desporto

Petro defronta Desportivo atento ao topo do Girabola

Honorato Silva

A respirar bons ares nas Afrotaças, depois da vitória (2-1) frente ao Gor Mahia do Quénia, na segunda jornada do Grupo D da Taça Nelson Mandela, o Petro de Luanda recebe o Desportivo da Huíla, hoje às 16h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, com as atenções no topo da classificação do Girabola.

“Capitão” Job é um dos trunfos da estratégia ofensiva dos comandados de Beto Bianchi
Fotografia: Contreiras Pipa | Edições Novembro

Travado na corrida à liderança da competição, pelo arqui-rival 1º de Agosto, que venceu o clássico dos clássicos, por 1-0, os tricolores às ordens de Beto Bianchi procuram evitar o agravamento do prejuízo, com o salto para o segundo lugar, igualados aos militares, 33 pontos, em caso de vitória esta tarde e diante do Sagrada Esperança.
O triunfo de quarta-feira, na recepção ao representante queniano, despertou a equipa, agora mais confiante na sua força competitiva, a julgar pela resposta dada a um adversário que chegou a Luanda debaixo dos holofotes, por ter derrotado, sem contemplações (4-2), o favorito Zamalek do Egipto.
Mas, por não existirem jogos e competições iguais, o Petro de Luanda está apenas focado nas especificidades do Girabola, ciente de que o Desportivo da Huíla comandado por Mário Soares, tem argumentos suficientes para discutir a conquista de pontos em qualquer campo.
O facto de as equipas estarem separadas por apenas um ponto, com vantagem dos visitantes, chama atenção aos petrolíferos para os cuidados que devem adoptar quanto a uma eventual postura sobranceira, de modo a evitar surpresas desagradáveis.

Reforços de peso
Afastados do compromisso continental, por limitações físicas, Herenilson e Vá alargam as opções de Bianchi, que conta com Danilson, Diógenes, Manguxi e Toni em bom momento. Pela força dos plantéis, o Petro entra como favorito à vitória.
Só não pode ignorar o adversário, sobretudo numa fase em que assina o seu melhor desempenho na primeira volta do campeonato. Os pupilos de Mário Soares, grupo que esbanja juventude e confiança, têm arcaboiço para travar os tricolores em pleno 11 de Novembro. Ndulu, Chiwe, Sargento, Cagodó e Razaq são os destaques da equipa.
Na condição de visitados, os petrolíferos levam vantagem nos jogos disputados desde 2010. A vitória mais expressiva, 5-2, registou-se em 2014, enquanto o único triunfo dos militares, 1-0, foi em 2013. Para a mesma jornada, já jogaram Sagrada Esperança - Bravos do Maquis (1-1), Sporting de Cabinda - Kabuscorp do Palanca (0-0), Saurimo FC - Interclube (1-0), Recreativo do Libolo - ASA (2-1), Recreativo da Caála - 1º de Agosto (0-2), Cuando Cubango FC - Académica do Lobito (1-2) e Progresso Sambizanga - Santa Rita de Cássia do Uíge (1-0).

 

Tempo

Multimédia