Desporto

Petro e 1º de Agosto atestam superioridade e jogam final

Teresa Luís

Petro de Luanda e 1º de Agosto confirmaram ontem, mais uma vez, o estatuto de melhores equipas do continente ao qualificarem-se para a final da 40ª edição da Taça dos Clubes Campeões, em andebol seniores femininos, cuja partida está marcada para amanhã às 15H00, no Palácio dos Desportos, na cidade de Abidjan, Costa do Marfim.

Militares e petrolíferas repartem favoritismo na luta pelo quadragésimo título continental
Fotografia: Kindala Manuel|Edições Novembro

Às ordens de Vivaldo Eduardo e Morten Soubak, as eternas rivais fizeram jus ao favoritismo atribuído, antes do arranque da prova, como candidatas ao título. Dotadas individual e colectivamente de argumentos técnicos e tácticos, “tricolores” e “rubro e negras” vão proporcionar certamente o melhor do an-debol africano.
Conquistar o 20º troféu africano é a meta do conjun-to do Eixo viário, enquanto o do Rio Seco ambiciona o quinto ceptro consecutivo. Petrolíferas e militares jogam a quinta final da época, após a disputa da Supertaça, Campeonato Provincial de Luanda, Taça dos Vencedores das Taças e o Nacional.
Ontem, na meia-final o Petro venceu por 24-16 o FAP (Camarões). Cientes dos objectivos, as pupilas de Vivaldo Eduardo jogaram o quanto bastava. Sem darem muitas hipóteses as adversárias, golo a golo ampliaram a vantagem.
O recurso à força do lado das camaronesas foi insuficiente para travar a formação mais titulada em África. Inseridas no Grupo A, na fase preliminar, as tricolores passearam classe, com os resultados de 31-22, frente ao HC Heritage (Congo Democrático), 29-23, Bandama (Costa do Marfim), 27-16, Dynamique (Camarões) e 29-14, Abo Sport (Congo Brazzaville). 
Nos quartos-de-final, mantiveram a invencibilidade, 33-15, frente o HC Vainqueur (Congo Democrático). O Petro marcou 149 golos, consentiu 90, com a média de 29.8 por partida. Em todos os desafios sofreram menos de 23 golos e marcaram mais de 27.
Ainda ontem, na outra meia-final, o 1º de Agosto cilindrou por 23-13 o Abo Sport Congo Brazzaville) Determinadas em revalidar o título, as comandadas de Morten Soubak, logo nos primeiro minutos do jogo obrigaram as congolesas a rede-
finirem estratégias, ante o ímpeto ofensivo imposto.
Sem capacidade de resposta, as adversárias viram-se forçadas a tentar equilibrar o desafio, no sentido de evitar uma derrota estrondosa.  Líder invicto do Grupo B, o 1º de Agosto, na primeira etapa da competição derrotou, por 27-15, FAP (Camarões), 33-12, HC Vainqueur (Congo Democrático) e 34-14, África Sport ( Costa do Marfim).
Nos quartos, com HC Heritage (Congo Democrático), 35-17 foi o resultado a favor das militares, que marcaram 129 golos, sofreu 58 , média de 32.2 golos por jogo. No cômputo geral, as agostinas em todos os jogos sofreram menos de 17 golos e marcaram acima dos 28.

Tempo

Multimédia