Desporto

Pierre Gasly pode ter continuidade em risco

Altino Vieira Dias

O francês Pierre Gasly, a par de Max Verstappen, seu colega na Red Bull Racing Honda, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, da Mercedes, e Sebastian Vettel e Charles Leclerc, da Ferrari, está entre os pilotos nas equipas mais bem sucedidas dos últimos nove anos.

Adeptos esperam níveis superiores aos de Daniel Ricciardo
Fotografia: DR

Gasly foi promovido na Red Bull Racing Honda em 2019, depois de Daniel Ricciardo ter saído desta equipa para a Renault. A Red Bull teve o privilégio de trabalhar com Gasly, um ano antes da estreia em 2019, através da sua equipa satélite, a Toro Rosso. Houve muitos motivos para a equipa promover o piloto, entre os quais a saída de Ricciardo e os bons resultados do francês na Toro Rosso.
Contudo, a grande luta será ver se Gasly conseguirá manter ou superar os níveis de Ricciardo nos últimos anos na equipa.
O campeonato está apenas no início e muitos analistas dizem que é muito cedo para julgar o rendimento do piloto. Mas os adeptos da teoria da conspiração dizem que a promoção de Gasly foi muito rápida e a equipa poderia ter ido buscar pilotos mais experientes no "paddock". Gasly não consegue sair à frente de Max, e é sempre batido pelos pilotos da Ferrari, o que nem sempre acontece com o parceiro.
Gasly e Charles Leclerc foram as revelações no ano passado, pois bateram os seus respectivos colegas no seu primeiro ano de Fórmula 1. Mas "parece" que o francês perdeu o "brilho" que tinha na Toro Rosso. Gasly terá de subir a sua fasquia, porque se estiver num ritmo abaixo do desejado não tardará muito para a escuderia promover Kvyat ou Alexandre Alborn, pilotos da equipa satélite da Red Bull, a Toro Rosso.
Isto já aconteceu com Kvyat, quando foi substituído por Verstappen. A Red Bull Racing está desesperada para voltar aos tempos de glórias, como nos anos 2010, 2011, 2012 e 2013, e para isto, está a lutar com fiabilidade no motor e o desempenho dos pilotos.
A esperança é a última coisa a morrer. Mas a de Gasly vai mesmo morrer, se não corresponder às expectativas. Assim, podemos dizer que ele tem os dias contados na Red Bull Racing, que não foge à regra e, tal como as outras equipas, não deseja ter um piloto que não consegue bater os seus adversários, mesmo com um carro ao mesmo nível.

Tempo

Multimédia