Desporto

Pleito na FAB promete disputa bastante renhida

Melo Clemente

As eleições para os órgãos sociais da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), referente ao ciclo olímpico 2020/24, que devem ser realizadas em princípio até ao final do mês de Setembro do ano em curso, prometem disputa renhida, em função do número de candidatos que vão concorrer ao cadeirão máximo da entidade.

Jean Jacques da Conceição e José Moniz Silva são os rostos mais conhecidos no pleito eleitoral
Fotografia: Francisco Bernardo | Edições Novembro | Arquivo

 

Até ao momento, três aspirantes ao cargo já assumiram as candidaturas. Trata-se de José Moniz da Silva, antigo vice-presidente para o Basquetebol do Clube Central das Forças Armadas Angolanas (1º de Agosto), Manuel Moreira, ex-dirigente do Progresso Associação Sambizanga, e Jean Jacques da Conceição, antigo internacional angolano e um dos treinadores da equipa militar.
Dos nomes acima referenciados, Manuel Moreira, é menos conhecido a nível da família da “bola ao cesto” e, por sinal, o único que já assumiu publicamente o desejo de assumir os destinos da Federação nos próximos quatro anos.

Jean Jacques da Conceição, que já teve uma passagem no órgão reitor da modalidade, no consulado de Gustavo da Conceição, como vice-presidente, deve oficializar a candidatura nos próximos dias.
O antigo poste do “cinco” nacional, que havia desistido à última hora de se candidatar em 2012, integrou a lista de António Henriques na luta pelo cadeirão da FAB.
Pela segunda vez na história do basquetebol, o pleito eleitoral contará com três candidatos, depois de em 2012 ter contado com igual número, Paulo Madeira, Conceição Sampaio e António Henriques, tendo o primeiro superado os dois concorrentes.

Depois da crise directiva, que se instalou na Federação Angolana de Basquetebol (FAB), e culminou com a demissão do então presidente de direcção, Hélder Martins da Cruz “Maneda”, a família da “bola ao cesto” está expectante quanto ao futuro da modalidade, que tantas alegrias proporcionou ao povo angolano, ao longo dos últimos trinta anos.
Independentemente do número de candidatos, os amantes da modalidade esperam que seja alguém capaz de reorganizar em quatro anos a federação mais titulada do país, a par do andebol.

Uma Comissão de Gestão “ad hoc”, coordenada por Gustavo da Conceição, dirige a Federação e terá a missão de preparar todas as condições, para que o pleito eleitoral se realize dentro dos prazos estabelecidos pelo Ministério da Juventude e Desportos (MINJUD).
De acordo com a directriz do organismo que tutela o desporto, as Federações Nacionais devem efectuar os pleitos eleitorais até finais de Setembro, ao passo que as Associações têm de realizá-los até ao final deste mês.
Entretanto, com o surgimento da pandemia da Covid-19, clubes, Associações e Federações foram obrigados a refazerem os calendários eleitorais, seguindo a directriz do MINJUD.

Tempo

Multimédia