Desporto

Recreativo coloca à prova competência do 1º de Agosto

Honorato Silva

À procura do regresso ao registo afirmativo, com arreganho competitivo, o 1º de Agosto defronta o Recreativo da Caála, hoje às 15h00, no Huambo, pressionado pela recuperação do comando do Girabola, perdido ontem para o Petro de Luanda, face à vitória (2-0), frente ao Santa Rita de Cássia, na abertura da 21ª jornada.

Mabululu persegue Tony do Petro de?Luanda na disputa dos melhores marcadores da prova
Fotografia: Paulo Mulaza | Edições Novembro

Alvo de críticas, pela perda de consistência exibicional, mudança atribuída à campanha menos conseguida na fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos, da qual saíram sem qualquer triunfo, os militares do Rio Seco, orientados por Dragan Jovic, entram em campo proibidos de desperdiçar pontos, sob pena de complicarem as contas do título.

Apesar de disporem ainda da possibilidade de renovar a posse da Taça de Angola, os rubro e negros, agora no segundo lugar, 42 pontos, estão focados no penta (quinta consagração consecutiva no campeonato), proeza exibida com exclusividade pelos arqui-rivais tricolores, cujo objectivo é frustrar a repetição da marca, como fez há duas épocas o FC Porto em Portugal, na disputa com o Sport Lisboa e Benfica.
O aperto classificativo, 11º lugar, 18 pontos, impede a formação da Caála, treinada por David Dias, de pensar em filantropia, por esta-
rem ainda ao alcance do Cuando Cubango FC, Ferrovia do Huambo, Progresso Sambizanga e Santa Rita de Cássia, concorrentes empenhados na fuga dos dois lugares de descida.
No Cuito, às 15h00, o FC Bravos do Maquis, terceiro com 34 pontos, aposta na “simpatia” do Cuando Cu-bango FC, 12º, 15, há dois anos distante do calor dos seus adeptos, por falta de campo em Menongue. Pelo registo competitivo das equipas, os maquisardes às ordens de Zeca Amaral são favoritos à vitória.
Superado em casa, por 0-1, pelo Sagrada Esperança, na primeira “mão” dos quartos-de-final da Taça, o Desportivo da Huíla, sexto, 27, procura corrigir o percurso diante do Sporting de Cabinda, décimo, 20, às 15h00, no Estádio do Ferrovia, na cidade do Lubango. Os leões correm em direcção à permanência.
Mergulhado numa profunda crise financeira, o Progresso, penúltimo, 14 pontos, recepciona o Wiliete de Benguela, instalado de forma cómoda na oitava posição, 25. Os salários em atrasos fragilizam a equipa de Hélder Teixeira, na disputa com os pupilos de Agostinho Tramagal, muito elogiados pelo bom desempenho no ano de estreia.

Petro experimenta conforto da liderança

Com margem para voltar a assumir a primazia, caso faça o pleno nos jogos em atraso, o Petro de Luanda antecipou o regresso à liderança da prova, 43 pontos, ao derrotar o Santa Rita de Cássia, por 2-0, ontem na cidade do Uíge.
Pintado de amarelo e azul, o Estádio 4 de Janeiro testemunhou a força dos tricolores em terras cafeícolas, ao ponto de superarem os anfitriões no número de adeptos nas bancadas, num jogo marcado pelo equilíbrio, com algum ascendente dos vice-campeões nacionais. Picas, grande achado do plantel petrolífero, formado na Escola Ti Nandinho, descobriu a forma de esmorecer a resistência dos católicos. O primeiro golo, apontado por Yano, surgiu de um canto, depois de acção individual por si conduzida, enquanto Tony, de penalte, deu expressão final ao resultado.
O Santa Rita, último da tabela, 13, esteve aquém da equipa combativa colocada em campo na jornada passada, diante do 1º de Agosto. Subserviente, pouco fez para evitar a derrota, desfecho já considerado normal nas disputas com o Petro de Luanda.
No Dundo, o Sagrada Esperança conquistou o primeiro triunfo na competição, após a mudança de elenco directo, com um esclarecedor 4-2, sobre a Académica do Lobito. A robustez do resultado espelha a prestação das equipas.

Tempo

Multimédia