Desporto

Regulamento da FIBA pune atletas infractores

Anaximandro Magalhães

Os jogadores que recusam representar a Selecção Nacional de basquetebol sénior masculina, sem ser por motivos de saúde ou lesão, nas competições programadas pela Federação Internacional de Basquetebol Associado (FIBA), estão sujeitos a sanções, de acordo com os regulamentos disciplinares legislados pelo órgão reitor da modalidade no Mundo.

Poste de 2,11 metros (camisola 2) é o melhor marcador do “cinco” nacional sénior masculino
Fotografia: José Soares | Edições Novembro

Segundo o artigo 45, das disposições gerais dos regulamentos da FIBA, se um jogador for convocado e evocar indisponibilidade, sem provar que está doente ou com algum impedimento físico, não poderá jogar pelo seu clube, sob pena de ambos serem punidos, caso a Federação do país envolvido decida agir.
Nesta conformidade, a direcção da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), presidida por Hélder Martins da Cruz “Maneda”, pode, caso entenda, notificar aquele organismo, a dar conta da recusa do poste Valdelício Joaquim “Wander”, 2,08 metros, de defender as cores do “cinco” nacional, hendecacampeão africano.   
O jogador, que representa agora a equipa francesa do Union Jeanne D´arc Phalange Quimper, disse “não à convocatória”, de acordo com o seleccionador nacional, em declarações ao Jornal de Angola, William Bryant Voigt, de 42 anos.
Wander consta da lista de 26 jogadores, elaborada por Will Voigt, com vista à disputa, de 14 a 16 de Setembro, na Tunísia, da quarta Janela do Torneio Africano de Qualificação, para o Campeonato do Mundo, China´2019.
Carlos Morais, do Siena Basket da Itália, e Yannick Moreira, do Paok da Grécia, também podem estar envoltos em polémica, embora, estejam ainda dentro da prerrogativa  disposta nos regulamentos, uma vez que estes determinam, que os clubes devem libertar os atletas, num prazo máximo de 72 horas, antes do arranque dos Jogos de Qualificação.
Por esta razão, e pelo facto de ambos não terem manifestado, até agora, a intenção de não se juntarem aos restantes companheiros, a FAB, na pessoa do treinador, Voigt, continua a tê-los nos seus planos.
Caso a Federação solicite a intervenção da FIBA, para interceder, caso haja violação das leis por parte de um clube ou jogador, as normas prevêem a retirada de pontos, em todas as partidas em que o atleta tenha sido utilizado. 
Questionado pelo JA, o coordenador da selecção, Tony Sofrimento, argumentou: “o Valdelício até hoje não escreveu para nós. Em relação aos demais atletas, contamos com eles”.
De fora do leque de opções, mas com o beneplácito da FAB, estão: Bruno Fernando (Universidade Marylan) e Sílvio Sousa (Universidade Kansas), devido a compromissos académicos, nos Estados Unidos.
Com Will,  trabalham: Edson Ndoniema, Mohamed Cissé e Mutau Fonseca (1º de Agosto); Leonel Paulo, Childe Dun-dão e José António (Petro de Luanda); Gerson Domingos, Egídio Ventura, Ngombo Ro-gério e Alexandre Jungo (In-terclube); Pedro Bastos, Olímpio Cipriano, Hermenegildo Mbunga e Teotónio Dó (Sport Libolo e Benfica); Elmer Fé-lix, Reggie Moore e Aldemiro João (ASA).
Ausentes, continuam: Yannick Moreira (Paok da Grécia), Carlos Morais (Siena Basket da Itália), Valdelício Joaquim (Union Jeanne D´arc Phalange Quimper), Jacques “Leandro” Conceição (Sport Lisboa e Benfica) e Júlio Clever Afonso.
Eduardo Mingas está dispensado para tratar de assuntos pessoais, e Gerson Gonçalves “Lukeny” a contas com uma lesão articular coxo -femoral.
A Tunísia lidera o Grupo E, com 12 pontos, seguida por Camarões e Angola, ambos com dez. Egipto e Marrocos ocupam as posições imediatas, com nove pontos cada.


Tempo

Multimédia