Desporto

Ruas de Moscovo vazias e silenciosas

Paulo Caculo | Em Moscovo

Ruas desertas, silêncio total. Foi esta a imagem apresentada pela cidade de Moscovo, momentos após o desfecho do jogo da Rússia frente à Croácia, que ditou a eliminação da selecção da casa no Mundial que organiza.

Fan Zone, situada na Praça Vermelha, foi o mais concorrido pelos adeptos de vários países
Fotografia: DR

O cenário contrastou claramente com a azáfama que se viveu no final do jogo com a Espanha, em que os russos garantiram o passe para os quartos-de-final, e vários populares saíram às ruas, fizeram passeatas pela cidade e protagonizaram uma festa rija, que se prolongou por noite dentro.
As buzinas de carros e motos, o entoar de canções, a enorme agitação e barulho no trânsito deram lugar a uma quase total acalmia nas ruas da cidade, num estado de quietude que chegou a ser preocupante para os proprietários de restaurantes e cafés de Moscovo, como é o caso do “Dionis Cafe”, um local muito frequentado por africanos, sobretudo estudantes bolseiros.
Logo após o apito final do jogo, ao contrário de outros dias, o referido Café ficou “às moscas”, tendo a maioria dos adeptos russos, que aí habitualmente estavam para assistir aos jogos do Mundial, abandonado o local, depois de protagonizarem momentos de “êxtase” ao longo de todo o jogo.
Foi-se a alegria do Mundial. Os dias já não serão os mesmos, se avaliarmos ao facto de a presença da selecção da casa em competição ter, durante esse período, motivado os adeptos a interessarem-se também por outros jogos, talvez na ânsia de conhecerem melhor os possíveis adversários da Rússia.
Os próximos dias serão completamente diferentes daqueles que se assistia antes da eliminação do conjunto da casa deste Mundial. Isso mesmo chegaram a afirmar igualmente alguns turistas presentes em Moscovo. No seio deles é unânime a ideia de que as noites jamais serão agitadas, e muito menos a cidade voltará a sentir o mesmo colorido de há algumas semanas.
O facto é que, apesar de no discurso de alguns adeptos russos ter ficado a ideia de que estão conformados com o facto de a Selecção ter feito uma “belíssima participação”, na medida em que, pela primeira vez, alcançou os quartos de final de um campeonato do mundo, no rosto dos mesmos é visível a tristeza pelo afastamento da prova.
Antes mesmo do final do jogo, era já evidente o sofrimento a que estiveram submetidos muitos dos adeptos presentes no “Fan Zone”, instalado num dos mais frequentados Shopping da cidade, o conhecido “MegaShop”. Uns com as mãos levadas à cabeça, outros ainda de semblante entristecido, viviam intensamente o desenrolar da partida.
No final, a derrota da Rússia provocou um clima de choros por tudo quanto era canto. As mulheres foram as que sofreram mais com a eliminação da “equipa de todos os russos”. Pelo menos foi o que nos deu a ver um grupo de senhoras à saída do “Fan Zone”, local de concentração de adeptos sem bilhetes para entrarem nos estádios.
Para os turistas africanos presentes em Moscovo, era preferível a Rússia continuar em prova. Justificam a opinião, com o facto de recearem que os próximos dias serão menos emotivos e alegres como estavam habituados a assistir, sobretudo nas vésperas e no final dos jogos da selecção anfitriã.
De resto, o Campeonato do Mundo observa desde ontem mais dois dias de repouso, antes da disputa dos jogos das meias-finais, agendados para amanhã e quarta-feira, com os aliciantes França-Bélgica, em São Petersburgo, e Croácia -Inglaterra, na cidade de Moscovo, respectivamente.

Tempo

Multimédia