Desporto

São Silvestre pode ser apresentada este mês

Teresa Luís

A três meses do tiro de partida da 64ª edição da corrida São Silvestre, a Federação Angolana de Atletismo (FAA), presidida por Bernardo João, pode apresentar, ainda este mês, em conferência de imprensa, a prova que sai às ruas de Luanda a 31 de Dezembro, e percorrida numa distância de dez quilómetros.

Tiro de largada da prova mediática é dado a 31 de Dezembro no Largo da Mutamba em Luanda
Fotografia: José Cola | Edições Novembro

Na passada quarta-feira, os membros daquela instituição reuniram à porta fechada com os responsáveis do Ministério da Juventude e Desportos (Minjud), tendo na ocasião apresentado o caderno de encargos.

Segundo fonte do Jornal de Angola próxima à FAA, questões relacionadas com o orçamento de inscrição de atletas nacionais e estrangeiros, asseguramento e o estado actual do percurso dominaram a reunião.
“A resposta ministerial foi positiva. Apresentaremos oficialmente a corrida nos próximos dias. Antes, vamos reunir internamente para abordar os detalhes relacionados com a competição. Mais uma vez estamos a correr contra o tempo. Ainda assim, queremos evitar constrangimentos de vulto. Embora não pareça, mas pretendemos fazer diferente”, garantiu.
Quanto ao orçamento, a mesma fonte foi categórica: "tudo indica que será o mesmo do ano passado. Enquanto dirigente percebo as limitações financeiras do Ministério. O actual momento económico do país é conhecido por todos. Vamos tentar estabelecer parceria com algumas empresas no sentido de arrecadar apoios para cobrir outras necessidades”.
No ano passado, a prova esteve orçada em 54 milhões de kwanzas, do Minjud a Federação recebeu 18. Relativamente à participação dos fundistas estrangeiros, o dirigente realçou que a São Silvestre sempre foi internacional, embora em 2017 alguns embaraços de ordem económica impediram a participação dos forasteiros.
"Este ano vamos contar com os atletas de outras paragens. Não há como ficarem de fora", disse.
Na edição de 2018, o queniano Makua Nyandusi e a etíope Bayenesh Ayele venceram a corrida com os registos de 30 minutos e 20 segundos, e 33 minutos e 56 segundos, num total de 2023 participantes, em ambos os sexos.
A São Silvestre começa no Largo da Mutamba e passa pela Avenida Amílcar Cabral, Revolução de Outubro, Ho-Chi Min, Alameda Manuel Van-Dúnem, Largo do Kinaxixi, Rua da Missão, Avenida 4 de Fevereiro, Largo do Baleizão, Rua Francisco das Necessidades e termina no Estádio Municipal dos Coqueiros.

Alexandre João conquista Grande Prémio “Cuima”

Alexandre João, fundista do Interclube, venceu no sábado o Grande Prémio "Cuima", ao cortar a meta com o registo de 30 minutos e 34 segundos, prova disputada na distância de dez quilómetros, na província do Huambo.
Com mais 16 segundos, Avelino Sanganha, do 1º de Agosto (30:50) e Avelino Dumbo, Jamba Sport (31:12) completaram o pódio. Tal como apontavam as previsões, os atletas das formações da Polícia e militar, 10 minutos após o tiro de partida integraram o primeiro pelotão, relegando para segundo plano os do Petro de Luanda, Jamba Sport , Núcleo São João e os populares.
A meio do percurso, os corredores do Inter, 1º de Agosto e Jamba Sport distanciaram-se dos demais e assumiram o comando, sem hipóteses para os adversários. Sabino Chipessi ( 31:30), Silvestre Ngunha (32:08) e Manuel Jaime (34:02) foram os medalhados na classe dos paralímpicos.
Constantino Vieira, popular (32:17) e Pedro Tchimangata, universitário (38:03) foram os vencedores nas respectivas categorias. Em femininos, domínio do Interclube, com Adelaide Machado (35:40), Ernestina Paulino (35:44) e Luciana Viengo (39:03) a ocuparem o pódio.
Maria Joaquina (48:20), Anita Ngueve(49:15) e Delfina Mbujo (49:50) triunfaram na classe dos paralímpicos, ao passo que Maria Bimbi (40:59) venceu na categoria popular. A corrida organizada pela empresa de água, contou com a parceria do órgão reitor da modalidade.
Além dos valores monetários, os vencedores receberam medalhas, computadores, geradores, televisores e material escolar.

Tempo

Multimédia