Desporto

Selecção mostra classe no Africano

Teresa Luís/Brazzaville

A Selecção Nacional sénior feminina de andebol derrotou ontem a similar do Congo por 32-19, em partida pontuável para a quinta e derradeira jornada do Grupo B, disputada no Pavilhão Nicole Oba, referente à 23ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), que Brazzaville acolhe até 12 do corrente.

Pivô Albertina Kassoma levou a melhor no despique de bola com uma das adversárias
Fotografia: DR

Com uma moldura huma-na considerável, onde os adeptos angolanos foram impedidos de se sentar, as campeãs africanas só precisaram de tranquilidade para abordar o desafio, com a mestria que lhes é peculiar. A consistência defensiva permitiu as jogadoras combinarem as jogadas, com eficácia.
Jogados 30 minutos, o placar registava 18-9, favorável às pupilas de Morten Soubak. Desprovidas de argumentos técnicos e tácticos, de modo a inverterem o rumo dos acontecimentos, as congolesas recorreram ao contacto físico para intimidar as Pérolas, mas sem conseguirem o efeito desejado.
Ao aperceberem-se que o resultado já estava feito, alguns adeptos abandonaram o recinto desportivo, com o hino “dima, dima, dima”, que na língua local significa saiam, a se referirem às suas compatriotas.
Na segunda parte, entrou em campo a segunda equipa, com a mesma postura defensiva e objectividade ofensiva.
Em declarações à imprensa, Morten Soubak afirmou que a selecção esteve melhor em relação ao desafio com as congolesas democráticas.
“As jogadoras estão de parabéns. Entraram muito bem, não se deixaram intimidar pelo público. Hoje (ontem), defendemos me-lhor e criámos mais dificuldades a equipa da casa. Os próximos jogos obrigam-nos a melhorar alguns aspectos. Mas no cômputo geral estamos bem”, disse.
O técnico congolês, Thierry Vincent, apontou a experiência competitiva como principal trunfo do “sete” nacional. “Por mais que tentássemos são claramente superiores. Angola está habituada a jogar sob pressão e disputa várias competições internacionais. Vamos rever onde falhámos e projectar a segunda fase da prova”, explicou.
Na outra partida, a República Democrática do Congo venceu a Guiné por 35-18, com o parcial de 17-8 ao intervalo.
Na luta pelo segundo lugar do Grupo B, Camarões e Tunísia empataram a 25 golos. Ao cabo de 30 minutos, 15-10, a favor das camaronesas. Na segunda parte, o conjunto magrebino transfigurou-se e relançou o jogo, enquanto as comandadas de Simon Menguede pareciam “órfãs” de ideias.
Aos 46 minutos as adversárias empataram a 20 golos, depois outra igualdade a  23. Apesar do empate as camaronesas ocuparam a segunda posição do grupo, com cinco pontos, atrás do Senegal(8), Tunísia (4), Argélia (3) e Costa do Marfim (0).
Angola-Argélia, Senegal-Guiné, Camarões-Congo e Tunísia -Congo Democrático  podem ser os cruzamentos dos quartos-de-final agendados para amanhã. Costa do Marfim e Marrocos jogam pelo nono lugar na segunda-feira.

Tempo

Multimédia