Desporto

Selecção de basquetebol regressa hoje a Luanda

Melo Clemente | Radés

A Selecção Nacional de basquetebol em seniores masculinos regressa hoje, a Luanda, depois de ter disputado a quarta janela de qualificação da zona africana para a Copa do Mundo, que se disputa na República Popular da China em 2019 prova que decorreu de 14 a 16 do corrente, em Tunes, capital tunisina.

Comandados do técnico Will Voigt desembarcam com saldo de dois triunfos e uma derrota
Fotografia: DR

A delegação angolana, chefiada por Benjamin Romano, vice-presidente para as selecções nacionais, desembarca à noite na capital do país, proveniente de Lisboa, Portugal, onde pernoitou depois de ter deixado ontem, a cidade de Tunes, palco que acolheu as partidas do Grupo E.
O cinco nacional que à entrada da quarta janela ocupava o terceiro lugar, com dez pontos, a mesma pontuação que os Camarões, no segundo posto, acabou por desalojar a  similar camaronesa, mercê das duas vitórias.
Na jornada inaugural, os hendecacampeões africanos que buscam a oitava presença numa fase final de uma Copa do Mundo, vergaram com algumas dificuldades os Camarões, por 83-76, numa partida na qual os pupilos de Will Voigt chegaram a vulgarizar o opositor, fundamentalmente no terceiro período, em que chegaram a conservar uma vantagem de 20 pontos.
Moralizada com a vitória da véspera, a Selecção Nacional “humilhou” a modesta formação do Tchad, vencendo por expressivos 42 pontos de diferença (75-33), numa partida em que o regressado Carlos Morais, que reassumiu a braçadeira de capitão brilhou, ao terminar o desafio com 23 pontos, além de ter capturado quatro ressaltos e feito três assistências.
O extremo base, que “trocou” o Sport Lisboa e Benfica pelo Siena Basket da segunda divisão de Itália, roubou por três vezes a bola.
Morais, que falhou a terceira janela de qualificação, foi uma das peças mais im-portantes do cinco nacional, a par de Reggie Moore, Yanick Moreira, Leonel Paulo e Gerson Domingos.
Aqueles jogadores conseguiram transmitir a maturidade competitiva aos menos experientes, daí a coesão do cinco nacional.
Entre os atletas estreantes, nomeadamente Júlio Afonso e José António, este último foi sem sombras de dúvidas a grata surpresa, tendo inclusive assegurado um lugar no cinco inicial, colocando no banco o veterano Leonel Paulo, por sinal, seu companheiro no Petro de Luanda.
Em três partidas, José António marcou 24 pontos, o que representa uma média de oito pontos por cada desafio.
Júlio Afonso e Pedro Bastos foram os atletas menos utilizados pelo seleccionador nacional que se mostrou bastante satisfeito pelo desempenho da sua rapaziada, sobretudo pelo espírito de grupo que demonstraram durante toda a competição.
Em três partidas, a Selecção Nacional marcou 222 pontos, o que representa uma média de 74 anotados por desafio, ao passo que, do ponto de vista defensivo, os angolanos sofreram 193, obtendo por isso uma média de 64,3 pontos por encontro.
Tunísia e Nigéria, selecções que continuam invictas no torneio de qualificação zona africana, foram as primeiras africanas a alcançar o passe de acesso à fase final do Mundial de 2019.
Terminada a quarta janela, a classificação do Grupo E está assim ordenada: 1º Tunísia, 18 pontos, 2º Angola, 15, 3º Egipto, 14, 4º Camarões, 14,  5º Tchad, 12 e 6º Marrocos, 12 pontos, respectivamente.
Já o Grupo F é liderado pela Nigéria, com 18 pontos, se-guindo-se Senegal (16), República Centro Africana e Costa do Marfim (13), Ruanda e Mali, ambas com 12.


Tempo

Multimédia