Desporto

Selecções de Judo viajam para Túnis

António Cristóvão

A Selecção Nacional Sénior de judo, em ambos os sexos, viaja hoje à noite para a cidade de Túnis, Tunísia, onde de 12 a 15 do corrente disputa a 39.ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), com o objectivo de conquistar medalhas no Palácio Desportivo El Menzah.

Helma Inácio, dos mais de 78 quilos, é uma das esperanças de Angola para subir ao pódio
Fotografia: Miqueias Machangongo | Edições Novembro

A Selecção Nacional Sénior de judo, em ambos os sexos, viaja hoje à noite para a cidade de Túnis, Tunísia, onde de 12 a 15 do corrente disputa a 39.ª edição do Campeonato Africano das Nações (CAN), com o objectivo de conquistar medalhas no Palácio Desportivo El Menzah.
A garantia foi dada ontem ao Jornal de Angola pelo presidente do Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Judo (FAJ), Yuri Villarigues, que anunciou a ausência dos seleccionadores Yuri Paim (masculino) e Hélder Camindo "Ogoshi" (feminino), suspensos pelo organismo reitor da modalidade no país.
Os técnicos, segundo Yuri Villarigues, foram sancionados por terem reclamado, em entrevista concedida a um jornal nacional, contra as condições de trabalho postas à disposição das selecções nacionais na Escola de Judo do Rangel.
Para Túnis, os técnicos Yuri e Hélder seleccionaram Janeth Alberto de menos de 52 quilos, Rosa Purdente (- 52 kg), Diassonema Mucungui (- 57 kg), Priscila Marta (- 63 kg), Maria Niangui (-70 kg), Helma Inácio (-78 Kg).
Isabel Lopes, de menos de 57 quilos, foi dispensada por estar a conta com  uma lesão na clavícula esquerda, contraída após uma queda na semana passada, durante os trabalhos de preparação.
Em masculinos, o corpo técnico levou os judocas Nair Garcia, de menos de 60 quilos, Jorge Miguel (-60 kg), Edmilson Pedro (- 66 kg), Acácio Quifucussa (-73 kg), Mulaza Panzo (- 73 kg), Wilson Afonso (- 81 kg), Silvio Jorge (-90 kg) e Casimiro Bento “Miro” (- 100 kg).
Embarcaram também os árbitros Yuri Villarigues, de categoria nacional A, e Didi Bopore (juiz de categoria C), ambos candidataram-se para juizes de categoria B e C do continente africano. Os dois vão participar num seminário, que se realiza amanhã e quarta-feira.
Casimiro Bento “Miro”, capitão da Selecção Nacional, Frederico João,  Sílvio Jorge, Maria Niangui e Helma Inácio começam a competir no período da manhã de quinta-feira, no Palácio Desportivo de El Menzah.
Na sexta-feira de manhã, no mesmo recinto, entram em acção Wilson Afonso, Mulaza Panzo, Priscila Marta e Diassonema Mucungui. Diassonema quer repetir a proeza alcançada no africano 2016, disputado na cidade de Antananarivo, Madagáscar, onde conquistou uma medalha de bronze.
As lutas são disputadas durante quatro minutos sem intervalo no sistema de eliminatória directa. No africano, os atletas das selecções nacionais vão disputar a prova de modo individual e por equipa (constituída por três femininos e igual número em masculinos).

Capitão está confiante

O capitão da Selecção Nacional, “Miro” Bento, considerou que o grupo está apto para fazer uma óptima campanha no africano.
“Pelas condições em que treinámos não se podia esperar quase nada deste grupo, mas somos guerreiros e temos vontade de medalhar. Vamos dar o nosso máximo na prova”, disse confiante.
Apesar das condições precárias “Miro” Bento garantiu que os atletas estão com o moral alto.
“O grupo está moralizado. Precisamos de apoio institucional para animar a selecção, mas vamos com vontade de triunfar”, desabafou o judoca que no mês passado competiu no Open Pan-americano, em Buenos Aires.
O judoca aponta a Tunísia, Egipto, Árgélia, Marrocos, Camarões e Senegal como principais adversários da Selecção Nacional na luta pela conquista de medalhas no africano.


Tempo

Multimédia