Desporto

Toto Wolff defende limite de corridas

Toto Wolff acredita que o calendário da F1 não deve passar dos 21 Grandes Prémios, número de 2018. O dirigente da Mercedes acha que o excesso de provas é stressante para a organização e também para as equipas, isto quando já por várias vezes se falou num aumento para 25 corridas por ano.

Chefe da Mercedes alerta para possíveis excessos
Fotografia: AFP

“Acho que não deveríamos ir além das 21 corridas, porque isso simplesmente dilui a exclusividade do evento. É algo para que estamos a olhar e a pensar: óptimo, vamos fazer 21 ou mais, mas, o ano passado, foram 20 corridas e já foi muito difícil para a organização, por isso, é esse número que vemos como limite. É muito difícil para a equipa, porque, não só estamos a fazer 21 corridas, como todos nós temos um dia normal de trabalho também. É muito stressante para a organização e para as pessoas”, disse Wolff.

Tempo

Multimédia