Desporto

Valentim aconselha investimento pessoal

Francisco Carvalho

O presidente cessante da Federação Angolana de Voleibol, Valentim Domingos, apela aos árbitros e treinadores a fazerem investimento pessoal no domínio de línguas de serviço das organizações internacionais desportivas para o benefício do país e da instituição.

Fotografia: DR


O dirigente assegurou a recepção de documentos da Confederação Africana de Voleibol e da Federação Internacional de Voleibol (IFVB) para a inscrição de árbitros e de treinadores angolanos nos cursos realizados na zona austral, mas não há candidatos.
“Os nossos árbitros e treinadores não dominam as principais línguas de serviço, mormente, o inglês e francês. Infelizmente, não conseguem obter certificados internacionais, razão pela qual não aparecem nas competições africanas e mundiais”, lamentou.

Em entrevista ao Jornal de Angola, Valentim Domingos disse que termina o segundo mandato com “alguma mágoa” por constatar potenciais candidatos a árbitro internacional a desinteressarem-se pela carreira.
“Temos um grande número de árbitros com elevada competência técnica, mas não conseguem cumprir com as exigências da Federação Internacional para transitarem à categoria de árbitro com a insígnia da IFVB”, disse.

A título de exemplo citou que num dos dois cursos de treinadores em Angola, o especialista enviado pela IFVB aprovou apenas duas pessoas num universo de mais de 15 treinadores. É um “resultado desastroso”. Valentim sustenta que “as debilidades dos agentes desportivos atrasa o desenvolvimento do voleibol no país por mais boa vontade que tenha a direcção da Federação”.

Tempo

Multimédia