Desporto

William Voigt afasta dois atletas do grupo

Armindo Pereira

A Selecção Nacional sénior masculina de basquetebol regressa hoje, às 10h00, ao Pavilhão Multiusos do Kilam-ba, para dar continuidade à preparação para a disputa da  quinta e última janela do Torneio Africano de Qualificação, a decorrer em Luanda, de 30 deste mês a 2 de Dezembro, selectivo para o Campeonato do Mundo, China'2019.

“Cinco” Nacional alterna jogos de controlo com exercícios de carácter técnico e táctico
Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

Com o grupo reduzido para 19, após o afastamento por opção técnica de Ludge-ro Galiza e Glofate Buiam-ba, ambos do ASA, William Bryant Voigt vai aprimorar a componente  táctica. Sobre a primeira triagem, o técnico falou da importância dos dois atletas terem noção do ambiente de selecção para futuras convocatórias.
“É uma triagem que sempre esteve prevista. Mas é importante que os jogadores mais novos tenham contacto com o ambiente de selecção. Em princípio, a próxima triagem acontece após a chegada dos jogadores que militam no exterior”, revelou o seleccionador nacional.      
Glofate e Ludgero foram afastados no final da sessão de treinos de quarta-feira, antes do segundo jogo de controlo com a equipa sénior masculina do Interclube, com quem a selecção perdeu, por 70-74. O terceiro desafio está agendado para amanhã, às 20h00, no Multiusos do Kilamba.
Depois do triunfo sobre o ASA (113-67), os hendeca-campeões estiveram abaixo das expectativas frente o con-
junto afecto ao Ministério do Interior. O combinado nacional apresentou-se preso nos movimentos, em determinados momentos na partida. Perdas de bola, falhas defensivas e falta de concentração no momento da finalização foram algumas das fragilidades evidenciadas.
Contrariamente à selecção nacional, o Interclube não denotou qualquer abrandamento competitivo, pressionou e soube segurar a vantagem até ao final da partida. Apesar da derrota, William Voigt fez uma avaliação positiva do desafio.
“Foi um bom teste, porque tivemos um adversário à altura. Criou-nos dificuldades, fechou as linhas de passe, e é benéfico para en-saiarmos contra este tipo de defesa. Na segunda parte conseguimos dar outra resposta à pressão do adversário. Devemos melhorar a execução contra defesas aguerridas e ressaltar me-lhor”, analisou.
O extremo poste Reggie Moore, com 24 pontos e seis ressaltos, foi a melhor unidade do “Cinco” nacional. O jogador do ASA considera que a falta de entrosamento esteve na base do desaire. Se-gundo ainda o atleta, o tem-po que resta será fundamen-
tal para o seleccionador na-cional montar uma equipa mais coesa para os desafios da quinta janela.
“Precisávamos de um jogo com este nível de dificuldade. Vamos jogar com três selecções africanas muito fortes. Seria bom denotar estas fragilidades agora, para entrarmos melhor  na competição. Não temos muito tempo juntos, mas até lá isso será ultrapassado”, anteviu o jogador.          
Durante esta fase de preparação, o combinado nacional faz o último jogo de con-
trolo com a similar do Egipto, dia 28 do corrente, no mes-mo recinto.
Angola precisa de duas vitórias para garantir a qualificação. Os hendecacampeões  ocupam a segunda posição do Grupo E, com 15 pontos, atrás da Tunísia, que comanda o grupo, com 18, e por isso já garantiu o passe para a China em 2019.
A primeira delegação a escalar a capital angolana, segunda-feira, às 12h00,  é a do Egipto. As selecções do Chade, Tunísia, Camarões e Marrocos chegam dois dias depois. Todas ficam instaladas nas unidades do UI Hotel em Talatona e Cacuaco. A Selecção Nacional está alojada, desde ontem, no HCTA.

Tempo

Multimédia