Dossier

Puri promove desenvolvimento regional

José Bule| Puri

Na estrada que liga o Negage ao Puri, máquinas e camiões concluem as obras da via e apesar dos vários desvios já é possível fazer os 52 quilómetros que separam os dois municípios em apenas uma hora.

Os Programas Integrados de Desenvolvimento Rural e de Combate à Fome e à Pobreza estão a mudar a vida das populações do Puri
Fotografia: José Bule| Puri

Na estrada que liga o Negage ao Puri, máquinas e camiões concluem as obras da via e apesar dos vários desvios já é possível fazer os 52 quilómetros que separam os dois municípios em apenas uma hora.
No município do Puri, os Programas Integrados de Desenvolvimento Rural e de Combate à Fome e à Pobreza estão a mudar a vida das populações locais através da reabilitação e apetrechamento de infra-estruturas nas áreas da Saúde e da Educação.
Está em fase de conclusão uma escola com seis salas na aldeia Quibaba, uma residência protocolar na sede municipal, uma ponte sobre o rio Lukunga, na estrada que liga o Puri ao Município do Bungo, reabilitação e apetrechamento das instalações da Administração Municipal, reabilitação do jardim do Puri e ampliação do Centro de Produção Radiofónico.
António Sequeira, administrador municipal do Puri, informou que decorrem várias obras que vão ajudar a desenvolver a região. Referiu que as populações das aldeias de Quibaba, Kinzambi e Kifutila vão beneficiar de postos de saúde.
"Estamos a construir, reabilitar e apetrechar escolas primárias nas aldeias Quisseque Bendo, Kifutila, Kinzambi, Kikaka e Kamavu, além da construção de um mercado, na sede municipal, e um ponteco sobre o rio Dikombe, na estrada que liga o Puri ao município de Cangola".
O Puri também beneficiou de dois postos de saúde, cujas obras estão paralisadas há três meses por falta de financiamento, e a instalação de um sistema de bombeamento de água na aldeia Quisseque Lulovo, com as obras em fase conclusiva.
Os serviços de assistência sanitária do município melhoraram consideravelmente com a entrada em funcionamento de um hospital inaugurado pelo governador provincial do Uíge, Paulo Pombolo.
O hospital, equipado com meios modernos, oferece consultas externas, cirurgia, banco de urgência, laboratórios de análises clínicas, bloco operatório com equipamento de ponta, estomatologia, farmácia, radiologia e outros serviços.
O administrador municipal do Puri afirmou que as suas atenções estão centralizadas no sector da saúde, com vista ao melhoramento da qualidade de vida das populações da região: "o município funciona, agora, com um hospital municipal e seis postos de saúde. As unidades sanitárias têm 29 enfermeiros e duas médicas".
António Sequeira referiu que a assistência médica e medicamentosa no município melhorou significativamente, tendo em conta a grande afluência de pacientes que procuram os serviços das unidades sanitárias.
Quanto à educação, existem 385 professores que asseguram as aulas em 47 unidades escolares. Mais de 8.522 alunos, da iniciação ao segundo ciclo do ensino secundário, estão matriculados.

Energia e água

A vila do Puri e os bairros periféricos são iluminados por um grupo gerador com capacidade de 600 Kva. "O fornecimento de energia eléctrica à sede municipal é feito de forma parcial durante o dia, por causa dos custos do combustível. Mas ligamos para todos, incluindo os bairros periféricos, a partir das 17h00 e desligamos às 23h00, depois das aulas nocturnas", explicou.
O fornecimento de água potável também é feito de forma irregular. António Sequeira referiu que, em relação ao sistema de bombeamento, tratamento e distribuição de água, os serviços prestados ainda não oferecem a qualidade que se pretende: "prevemos o melhoramento deste sistema com fundos públicos, tendo em conta que é um serviço que a população reclama, todos os dias, defendendo a construção de um novo sistema de distribuição de água por gravidade, a partir do rio Lussalala", disse.

Avanços na agricultura

A agricultura tem dado passos visíveis. Na campanha agrícola passada, pelo menos 9.321 famílias camponesas participaram activamente nas acções de desenvolvimento agrícola da região. Os agricultores locais preparam-se para colher, nos próximos dias, mais de 39 toneladas de produtos, cultivados em dez mil hectares.
"No âmbito do Crédito Campanha Agrícola foram seleccionadas 8.840 famílias, agrupadas em 20 associações de camponeses, para receberem financiamento logo que as instituições bancárias decidirem libertar os fundos", informou o administrador do Puri.
O soba Clemente João da Silva disse que a maior parte da população do Puri trabalha na agricultura, uma actividade considerada a base para o desenvolvimento da província e da economia nacional.
"O cultivo dos campos, a criação de animais e a exploração florestal constituem as principais actividades da população, por isso, é necessário que os camponeses beneficiem de financiamentos para desenvolvermos a agricultura na região e precisamos de mais cabeças de gado para o fomento animal", afirmou o soba Clemente João da Silva.

Conselhos ao administrador

O governador provincial do Uíge pediu aos administradores municipais e comunais para gerirem bem os recursos financeiros que estão a ser colocados sob sua responsabilidade e trabalharem na criação de melhores condições de vida às populações locais.
Paulo Pombolo falava na vila do Puri, onde se deslocou com o objectivo de avaliar os resultados do Programa de Combate à Fome e à Pobreza e realçou que as administrações devem trabalhar para melhorar as condições de vida das populações, porque elas ainda vivem em condições difíceis.
"Queremos que onde não existem escolas seja construída uma, onde não há postos médicos seja colocado um, mas para fazer isso é necessário que o administrador conheça a região", referiu.
Durante a sua permanência no município do Puri, Paulo Pombolo inaugurou o hospital municipal local, uma casa protocolar, um edifício para alojar as repartições da saúde e educação e entregou, à Administração Municipal, motorizadas e produtos de consumo para serem distribuídos à população e aos funcionários.

Tempo

Multimédia