Economia

25 mil pessoas visitaram a exposição internacional

Kátia Ramos

A 33ª Feira Internacional de Luanda (FILDA), realizada entre quarta-feira e domingo, recebeu 25 mil visitantes que tiveram disponíveis 255 expositores em 16 mil metros quadrados, indicam números fornecidos pela organização ao Jornal de Angola.

Representante da Administração Geral Tributária momentos depois de receber os prémios
Fotografia: Kindala Manuel|Edições Novembro

Além da Sonangol, que arrebatou dois prémios como melhor empresa na FILDA e no sector petrolífero, a organização distinguiu a Administração Geral Tributária (AGT), também com dois prémios, nas categorias de melhor Activação de Marca e Entidades e Empresas Públicas. Portugal, um dos 12 países estrangeiros que participaram no certame, viu representantes seus receberem prémios na categoria de melhor empresa internacional e na categoria de maquinarias e equipamentos, entregue à empresa de capital luso Automatriz.
No certame, organizado pelo Ministério da Economia e a empresa Eventos Arena, foram premiadas 21 categorias, em reconhecimento aos 255 expositores que representaram empresas e produtos na feira.
O Banco de Poupança e Crédito venceu a categoria da Banca, a EPAL a de Energia e Águas e o Porto de Luanda a de Transportes e Logística.
BAI Directo venceu a categoria Produtos Inovadores, o Centro de Fisioterapia Ana Carolina venceu a categoria de Saúde, a empresa de telecomunicações Unitel a de Tecnologia, a Empresa Sucateira de Angola (ADA) a de Indústria Transformadora e a Fabrimetal a de Materiais de Construção.
A cervejeira Cuca venceu na categoria de Bebidas, a marca de ovos da fazenda “Pérola do Kikuxi" Kikovo na categoria de Alimentos, a cadeia de supermercados Candando a de Comércio, a detentora de rede Multicaixa Emis na de Serviços, a ENSA a de Seguros e a Angoglobal n a Prestação de Serviços.
A ministra da Indústria, Bernarda Martins, o secretário de Estado da Indústria, Kiala Ngone Gabriel, e o presidente do Conselho de Administração da Arena Eventos, Bruno Abrantes, entregaram Leões de Ouro e diplomas de participação aos vencedores.

Apelo à parceria
Bernarda Martins lamentou a situação de restrição económica e financeira que, no ano  passado, impossibilitou a realização da FILDA, um certame que, afirmou,  já ganhou prestígio e importância nos processos de divulgação das empresas nacionais e estrangeiras instaladas no país, para a atracção de investimentos.
A ministra realçou que o Executivo lançou bases legislativas e financeiras necessárias para potenciar a produção nacional e dar ênfase à diversificação da economia de forma a tornar o país auto-suficiente.
Bernarda Martins disse aos expositores da 33ª FILDA que compete ao Executivo, empresários e trabalhadoes, em conjunto, converterem as oportunidades do país em negócios rentáveis, progresso social e bem-estar das suas populações.
Considerou os participantes no certame como parceiros indispensáveis na caminhada de Angola para desenvolver uma economia próspera, equibilibrada e o bem-estar das populações.
A 33.ª Feira Internacional de Luanda,  FILDA 2017, foi realizada sob o lema “Diversificar a economia e potenciar a produção nacional, visando uma Angola auto-suficiente e exportadora”.

Tempo

Multimédia