Economia

Acordos habilitam cooperativas ao crédito em três províncias

Marcelo Manuel | Ndalatando Alfredo Ferreira | Caxito Lourenço Bule | Menongue

Cinquenta e quatro cooperativas das províncias do Cuanza-Norte, Bengo e Cuando Cubango habilitaram-se a financiamentos situados entre os 50 e os 150 milhões de kwanzas junto do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA).

Camponeses de uma cooperativa do Bengo beneficiados por financiamento do BDA
Fotografia: DR

Os memorandos de entendimento para formalizar a concessão dos empréstimos foram assinados hoje, em Ndalatando, quarta-feira em Caxito e terça-feira em Menongue, de acordo com informações disponíveis na nossa Redacção que também apontam para que os desembolsos envolvem 18 cooperativas em cada uma daquelas três províncias.

Os empréstimos, com maturidade de 24 meses e juros bonificados de 7,5 por cento, decorrem do Decreto Presidencial 98/20, de 9 de Abril, que estabelece medidas de alívio dos efeitos negativos da pandemia da Covid-19 sobre a economia. 

No Cuanza-Norte, as cooperativas foram habilitadas entre as 750 em operação na província, com o director do Gabinete para o Desenvolvimento Económico Integrado, Fernando Mesquita, a lamentar que a maior parte destas unidades produz sem a documentação exigida, principalmente do título de concessão de terra, facto que disse dificultar o acesso ao crédito bancário.

Fernando Mesquita sublinhou o facto de os produtores seleccionados receberem o dinheiro antes do arranque do ano agrícola, para possibilitar a adopção de estratégias que garantem a obtenção de colheitas satisfatórias. Os produtores do Cuanza-Norte que assinaram os memorandos de entendimento para receberem créditos bancários prometeram aumentar a produção e a oferta de postos de trabalho.

No Bengo, o vice-governador para o Sector Político, Social e Económico, José Pedro, pediu aos membros das cooperativas maior responsabilidade no sentido de reembolsarem o crédito nos prazos previstos e exortou os beneficiários a aplicarem bem o dinheiro, de modo a alavancar a agricultura desenvolvida na província.

A directora do Gabinete para o Desenvolvimento Económico Integrado do Bengo, Fátima Sebastião, anunciou que aquele acto de subscrição de memorandos de entendimento era apenas a primeira fase do processo que, depois, seguirá para uma análise em que o Ministério da Economia e Planeamento e o BDA decidem com as cooperativas o valor a receber.

No Cuando Cubango, os memorandos de entendimento para formalizar os empréstimos foram assinados em Menongue, entre o Gabinete de Desenvolvimento Económico Integrado do Cuando Cubango, o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), o serviço provincial do Instituto Nacional de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (INAPEM) e os presidentes das 18 cooperativas.

Tempo

Multimédia