Economia

Agricultoras clamam por reabilitação de valas de irrigação

Agricultoras da comuna da Canjala, município do Lobito (Benguela) pedem ao Governo a reabilitação das seis valas de irrigação na região, com vista a aumentar a produção de cereais. 

Fotografia: Edições Novembro

O pedido foi feito sábado pela secretária comunal da Organização da Mulher Angolana (OMA) na Canjala, Madalena Ngueve Kwata,  durante um encontro de auscultação às mulheres do Lobito,  numa promoção do Comité Municipal do partido MPLA. As seis valas de irrigação existentes na localidade, com mais de 100 quilómetros de extensão, antes  de terem sido  degradadas  facilitavam  os trabalhos  dos  camponeses daquela  região.

Dada a falta de chuvas na Canjala, as  mulheres apontam a recuperação dessas valas de irrigação como solução para levar água do rio Balombo às áreas de cultivo, uma  acção que poderá  ajudar no aumento da produção de cereais, leguminosas, tubérculos e hortofrutícolas. Face à situação, as mulheres   receiam  que  corra  mal a  campanha agrícola 2018/2019, devido a  ausência das  chuvas que  começou a  causar prejuízos das plantações de milho, principalmente nas zonas mais  baixas.

Por outro lado, as necessidades das mulheres camponesas estendem-se, ainda, ao crédito bancário, bem como aos equipamentos agrícolas como tractores, enxadas tradicionais e adubos, de acordo com Madalena Ngueve Kwata.

A  irregularidade de chuvas  já começa a ser  ressentida  no preço de  alguns  produtos  nos mercados  naquela  comuna, visto que  um  quilograma  de  farinha de  milho  passou de 100  para  250 kwanzas. O próprio cereal   está a ser comercializado  por 150 contra 75  kwanzas.

A comuna da Canjala tem mais de cinco mil hectares de terra agricultáveis, das quais, mil e 500 estão a ser explorados por produtores privados e famílias camponesas. Em condições  normais (com regularidade das chuvas), a produção de feijão pode atingir, anualmente, mais de 10 mil toneladas naquela região.


Tempo

Multimédia