Economia

Angola sem pressa para leiloar o diamante de 171 quilates descoberto na Mina do Lulo

O diamante de 171 quilates descoberto a 11 de Maio na Mina do Lulo, província da Lunda-Norte, vai ser leiloado, mas “não há pressa”, garantiu esta semana o presidente do Conselho de Administração da ENDIAMA-EP, Ganga Júnior.

Fotografia: DR

“Em princípio, é para ser vendido”, disse Ganga Júnior, “mas, como se trata de uma pedra especial, as boas práticas recomendam que, caso se venda, seja em leilão”.  “Não temos pressa, até porque mesmo fazendo um leilão as pessoas estão impossibilitadas de vir (devido à pandemia de Covid-19). Então, vamos ter calma.

O certo é que vai ser em leilão e quem oferecer melhores condições comprará”, defendeu Ganga Júnior. A “pedra rara” de 171 quilates, descoberta há quase 15 dias, atraiu a atenção do subsector mineiro, a nível mundial. A gema branca foi extraída no Bloco 6 da mina, é a 15ª de mais de 100 quilates recuperada no Lulo, a 2ª explorada em 2020 e a 4ª maior desde o início das operações na mina.

Actualmente, o país perspectiva a redução, em 20%, da produção de diamantes este ano, na ordem dos 10 milhões de quilates, por força do impacto negativo que a pandemia do novo coronavírus está a causar à economia global.  Sobre o assunto, Ganga Júnior comentou: “Tínhamos previsto, inicialmente, produzir cerca de 10 milhões de quilates este ano e temos estado a ajustar, pensando que este período, bastante complicado, possa estar resolvido dentro dos próximos quatro meses.

Consideramos neste momento uma redução da produção na ordem dos 20%, o que significa que nos devemos situar nos oito milhões de quilates pelo menos”. Segundo o PCA da Endiama, neste momento “não há mercado” e, por isso, “para todas as minas reduzimos a intensidade de exploração, até porque não é possível, neste momento, termos 100% dos trabalhadores, uma boa parte deles está em casa”.

Prazos prorrogados

O Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás prorrogou, por 45 dias, a contar de quinta-feira, 21, até 4 de Julho, o programa do concurso público para a contratação de serviços de três entidades independentes, para a avaliação e determinação de preços bases de venda de diamantes brutos de Angola.

O ministério dá conta que o sector entendeu prorrogar o concurso, pela segunda vez, por causa do Estado de Emergência que Angola vive, como medida de prevenção e de combate à expansão da doença provocada pelo novo coronavírus.  Assim, ao concurso, lançado a 19 de Fevereiro e aberto a 3 de Março, devem ser apresentados os cadernos de encargos e demais documentos (disponibilização e aquisição de peças de procedimentos) até 3 de Julho e o acto público de abertura das propostas, apreciação e pré-qualificação dos candidatos ficou marcado para 6 de Julho.

A análise e avaliação das propostas deve decorrer até 17 de Julho, a elaboração do relatório preliminar da Comissão de Avaliação até 24 de Julho, a publicação dos resultados a 31 de Julho e a nomeação da “Comissão de Negociações” até 3 de Agosto. A elaboração do relatório final deve ocorrer entre 10 e 13 de Agosto, as negociações de contratos e celebração dos contratos entre 19 e 21 de Agosto e o início de actividades dos avaliadores independentes pode ocorrer a 2 de Setembro.

Tempo

Multimédia