Economia

Angola LNG despede 63 na unidade do Soyo

Jaquelino Figueiredo | Soyo

A empresa de recuperação e processamento de gás natural Angola LNG, com operações baseadas no Soyo, província do Zaire, despediu, de 27 de Agosto a 3 de Setembro em curso, 63 trabalhadores nacionais sob a alegação de uma redução de custos para fazer face à crise no sector, soube ontem o Jornal de Angola.

Fotografia: DR

Os trabalhadores dispensados,  serviam em unidades como Serviços Gerais, Apoio e Informática, Segurança e Ambiente no Trabalho e Bombeiros, Recursos Humanos, Relações com a Comunidade, Importação e Logística, bem como Planeamento e Finanças.
Trabalhadores contactados pela nossa reportagem disseram terem sido despedidos para dar lugar a expatriados norte-americanos e declararam-se indignados com os procedimentos utilizados para o processo, no qual  o director-geral, o norte-americano Eric Dunning, “não dialogou com ninguém para a cessação do vínculo contratual de forma harmoniosa”.
Num comunicado interno datado de 10 de Setembro, o director-geral declara que os despedimentos visam optimizar o sistema organizacional da empresa, sublinhando que, com aquelas dispensas, o programa chegou ao fim.
Numa deslocação para visitar empreendimentos da indústria extractiva no Soyo, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, solicitou, na fábrica da Angola LNG, há pouco mais de uma semana, que as empresas do sector concebam planos de redução de custos menos focados na redução de pessoal.

Tempo

Multimédia