Economia

Angonabeiro emprega ajuda do Prodesi no aumento da produção

A empresa de torrefação e distribuição de café Angonabeiro investe 8,9 mil milhões de kwanzas para melhorar as instalações produtivas e ampliar a capacidade de exportação, fundos em metade obtidos do Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição das Importações (Prodesi).

Empresa investe na elevação da capacidade de exportação
Fotografia: DR

O anúncio foi feito pelo director-geral da companhia, Miguel Carvalho, à margem de uma visita dos secretários de Estado para o Planeamento, Indústria e Comércio, Milton Reis, Ivan Prado e Amadeu Nunes, na quinta-feira, apontando o projecto da empresa destinado ao reforço da exportação de café Ginga.

Miguel Carvalho afirmou que os feitos da pandemia da Covid-19 no negócio do café sentiram-se sobretudo no início, mas, mostrou-se optimista com os resultados até ao final do ano, o que se explica pela migração para os lares, do consumo do sector da hotelaria, restauração e cafés, no qual a empresa estava especializada.

“Atravessámos um período difícil nos meses imediatamente a seguir ao Estado de Emergência, mas hoje em dia as vendas estão com valores positivos”, acrescentou, prevendo que a facturação deve ser “melhor do que no ano passado”. Em 2020, a Angonabeiro prevê comprar cerca de duas mil toneladas de café, em Angola, destinadas à exportação de café verde e à produção da marca Ginga para o mercado angolano e para exportação.

Até Abril, já foram exportadas 160 toneladas de café da safra passada e, a partir deste mês de Agosto, com a nova safra, a Angonabeiro prevê recomeçar as exportações, tendo planeada a exportação de 1.200 toneladas de café verde, o que representa um incremento de 203 por cento face aos valores do ano passado, vendido exclusivamente para Portugal.

“Esta empresa está dentro dos principais objectivos do Prodesi, que é substituir importações”, declarou o secretário de Estado para o Planeamento, reafirmando que a meta do Governo “é apoiar esta empresa no sentido de trabalharmos juntos para dinamizar o processo de produção do café em toda a sua cadeia”.

Milton Reis adiantou que o ministério da Economia e Planeamento está a trabalhar com os governos provinciais para constituir e apoiar financeiramente 15 cooperativas em cada província, entre as quais, algumas deverão estar orientadas para a produção de café.

Tempo

Multimédia