Economia

BAD aprova financiamento para apoiar crianças no Bié

O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) anunciou, ontem, um financiamento de um milhão de dólares para apoiar um programa alimentar para crianças na província do Bié.

Apoio vai ser canalizado aos agricultores para aumentar a produção de bens alimentares
Fotografia: Edmundo Eucílio | Edições Novembro


As verbas são provenientes de um fundo de auxílio ao governo, destinado a responder aos problemas de malnutrição provocados pela seca severa que atinge a região, tendo o financiamento sido aprovado a 23 de Setembro.
O Bié é a província angolana com a maior prevalência de desnutrição crónica, com 51 por cento, muito acima da média nacional de 38 por cento, de acordo com indicadores citados no comunicado do BAD.
No terceiro trimestre de 2018, o Ministério da Agricultura e Florestas e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) fizeram uma avaliação sobre situações de insegurança alimentar e nutricional nas províncias do Cunene, Huíla, Namibe, Benguela e Bié.
No Bié, a equipa de avaliação entrevistou 360 famílias e examinou aproximadamente 600 crianças entre 6 meses e 4 anos de idade, constatando que a situação de insegurança alimentar e nutricional era crítica, de acordo com os padrões da Organização Mundial de Saúde, com desnutrição grave superior a 15 por cento.
A intervenção do Banco visa complementar um programa de alimentação suplementar para famílias vulneráveis com crianças entre 6 meses e 4 anos de idade, nos municípios mais atingidos pela seca no Bié, Cuito e Nharea.

Transporte e energia
O BAD está a apoiar Angola, no sector dos transportes e energia, para que o país esteja preparado para sua integração regional, continental e mundial no comércio.
“O banco disponibilizou um fundo para apoiar Angola no ramo dos transportes, para facilitar as exportações e mercadorias e vamos ajudar o governo a desenvolver o seu plano director no sector dos transportes”, afirmou a directora regional para o Departamento de Integração do BAD, Moono Mupotola.
Em entrevista à Angop, à margem do lançamento, na quinta-feira, do estudo sobre a Diversificação das Exportações de Angola, a directora regional para o departamento de integração do BAD referiu que, para o efeito, a linha de empréstimos é de oito milhões de dólares americanos e prevêem, com a finalização do Plano Director dos Transportes, o aumento deste valor, passando para um total de 16 milhões de dólares.
De acordo com a responsável, espera-se 1.6 mil milhões de dólares de portfólio do BAD para Angola.
Quanto ao plano director dos transportes, a oficial do BAD disse que estão a ser preparado projectos do sector, alguns dos quais voltados para ligação de Angola com outros países vizinhos.
Um deles é a melhoria da ligação entre Angola e Zâmbia, através do Corredor do Lobito, com o estabelecimento de um posto estratégico fronteiriço de desenvolvimento, cruzando o posto transfronteiriço da região de Jimbe.
Para este local, será necessário que as autoridades harmonizem o regulamentado de políticas para facilitar o movimento de mercadorias e pessoas junto à fronteira dos dois países.
O BAD também está a olhar para o sector da energia, apoiando Angola com a interconexão com a Namíbia, um trabalho que já teve início.
A ligação do Porto Walvis Bay (Namíbia) com Angola é outra estratégia que se pretende para facilitar a exportação de produtos entre os dois países. “Para nós o importante é fazer com que Angola se adiante em todos os protocolos para que possa despontar a nível da região da SADC, do continente africano e do resto do mundo”, augura Moono Mupotola.

Tempo

Multimédia